Page Nav

HIDE

Classic Header

{fbt_classic_header}

ÚLTIMAS:

latest

Site chama igrejas evangélicas de "facções religiosas''

C.Scholze  A opinião pessoal - no site terra - de um jornalista estrangeiro, do DW espanhol, chama igrejas evangélicas de facções relig...


C.Scholze

 A opinião pessoal - no site terra - de um jornalista estrangeiro, do DW espanhol, chama igrejas evangélicas de facções religiosas.

Segundo a opinião de José Ospina-Valencia, redator do DW espanhol, as igrejas evangélicas são facções religiosas, que comandadas por "pastores que se autointitulam cristãos'' - segundo a visão dele - angariam fieis para se locupletarem de sua fé e obterem influencia política.

O artigo exposto no site "Terra'', vem recheado de preconceitos e crime contra entidades evangélicas, que por sua vez possuem o compromisso com a verdade e a ética em relação ao evangelho da salvação.

Eu sou o maior crítico de falsos profetas, condeno as práticas de venda da fé. No entanto, também não poderia deixar de condenar à prática de generalização feita pelo jornalista que, ao meu ver, é esquerdista até o tutano. Esperar o quê de quem defende regimes genocidas?

"A luta das igrejas neopentecostais na América Latina é uma luta pelos pobres: por sua consciência, por suas carteiras e por seus votos'', diz o artigo, repleto de ódio e preconceito contra o movimento protestante.

Tal autor não poderia generalizar como o fez, e isso demonstra sua pequenez ao expor num artigo, que o movimento "neopentecostal'' serve apenas para arrancar dinheiro dos fieis. Isso não é verdade.

Por mais que eu discorde veementemente da maioria das "visões acerca do evangelho'' que tais igrejas neopentecostais disseminam, também devo discordar que tal movimento neopentecostal se valha apenas de arrancar dinheiro dos fieis e exercer poder para eleger cargos políticos.

Existem pastores que nem se quer permitem que políticos subam aos púlpitos, nem tampouco que façam comício em cultos, além do que, isso é vai contra a lei eleitoral - é crime.

Segundo o artigo de  José Ospina-Valencia, o avanço e sucesso de novas unidades neopentecostais, se dá ao fracasso da igreja católica, que segundo ele, se enfraqueceu em detrimento aos inúmeros casos de pedofilia cometidos por autoridades da igreja.

Mas não para por aí. Ao que tudo indica, tal autor dedicou grande parte do seu tempo, não para expor os erros de "ALGUMAS VERTENTES DENTRO DO NEOPENTECOSTALISMO'', mas para aplicar uma narrativa de que os protestantes pregam uma espécie "fundamentalismo religioso''.

O autor ao mesmo tempo que destila seu ódio, defende ideologias de esquerda, como a ideologia de gênero, por exemplo. Na ótica de José, o conservadorismo é perigoso e prejudicial, para a tão falada "democracia esquerdista'', compreendem aonde ele quer chegar?

A conclusão que cheguei do artigo, é que o jornalista está raivoso E COM MUITO ÓDIO, porque querendo ou não às igrejas protestantes passam uma visão conservadora nos usos e costumes através da Bíblia, e isso realmente influencia na política, obviamente que tal fato acaba elegendo políticos cristãos e conservadores. Para a esquerda isso não é bom, MAS É CLARO que não!

Fonte do artigo mencionado (clique aqui)