Coreias se comprometem a eliminar armas nucleares em cúpula histórica

Nenhum comentário

Os dirigentes das duas Coreias se comprometeram nesta sexta-feira (27) a trabalhar pela eliminação das armas nucleares da península e por uma paz permanente, durante uma cúpula histórica na Zona Desmilitarizada.

Após um aperto de mão simbólico na fronteira com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, o líder norte-coreano, Kim Jong Un, afirmou que a Coreia está "no início de uma nova história".

Kim disse ter se sentido "embargado pela emoção" ao cruzar a linha de cimento e se tornar o primeiro dirigente norte-coreano a pisar em território sul-coreano desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

"Coreia do Sul e Coreia do Norte confirmam o objetivo comum de obter, por meio de uma 'desnuclearização' total, uma península coreana não nuclear", diz a Declaração de Panmunjom publicada após a reunião.

Após a assinatura do texto, que proclama que "não haverá mais guerra na península da Coreia", Kim e Moon se abraçaram, ao final de um dia de demonstrações de amizade.

Em uma cerimônia de despedida, os dois homens viram imagens de seu encontro reproduzidas em um espetáculo de luz e som, parados e de mãos dadas durante vários minutos.

Depois disso, Kim voltou a cruzar a fronteira e foi para a Coreia do Norte. Em imagens transmitidas pela televisão, ele foi visto saudando de seu veículo os anfitriões na Zona Desmilitarizada.

Os dois vizinhos disseram querer se reunir com os Estados Unidos e, talvez, também com a China - signatários do armistício que acabou com a guerra há 65 anos - "visando declarar o fim da guerra e estabelecer um regime de paz permanente e sólido" na península.

Por falta de um tratado de paz, tecnicamente os dois vizinhos continuam em guerra.


- Nova cúpula -

Esta cúpula histórica foi elogiada por várias capitais estrangeiras.

A China saudou a "coragem" de Kim e Moon; o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, falou da "passagem positiva para uma resolução em conjunto de várias questões relativas à Coreia do Norte"; e o Kremlin celebrou "notícias muito positivas".

O presidente americano, Donald Trump, saudou o encontro, embora tenha declarado que "o tempo dirá" se os resultados foram bons.

Além disso, afirmou a jornalistas que não será "manipulado" pelo líder norte-coreano em seu encontro, para o qual estão analisando "duas ou três sedes" onde poderá ser organizado.

No Twitter, Trump atribuiu a si parte do mérito, escrevendo: "FIM DA GUERRA DA COREIA! Estados Unidos e todo o seu GRANDE povo devem estar muito orgulhosos do que está acontecendo hoje na Coreia!".

"Por favor, não podemos esquecer da grande ajuda do meu bom amigo, o presidente Xi da China", apontou.

Para a Otan, esta cúpula "é um primeiro passo. É encorajador, mas temos que compreender que resta muito trabalho difícil à frente".

As duas Coreias se coordenarão estritamente para assegurarem que não "repetirão o passado desafortunado que viu como os acordos intercoreanos anteriores não davam em nada", declarou Kim Jong Un.

"Pode haver no caminho contragolpes, dificuldades e frustrações", reconheceu, "mas não se pode alcançar a vitória sem dor".

Fonte: AFP

Nenhum comentário

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários.

Comentem, mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto, caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas, porém desde que tenham coerência. Comentários de links e propagandas de outras páginas não serão aceitos.
Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico.

Direção O CORREIO DE DEUS