Escola de Zuckerberg e Bill Gates é acusada de "ensinar pornografia"

Nenhum comentário

A decisão da Suprema Corte de Uganda também constatou problemas trabalhistas nas escolas

A contratação de professores baratos e as precárias condições sanitárias oferecidas por startup que tem como investidores Bill Gates, Mark Zuckerberg e o Banco Mundial foram citadas em uma decisão da Suprema Corte de Uganda, na África, neste mês. A Bridge International Academies, cadeia de escolas privadas de baixo custo que oferece educação padronizada em países em desenvolvimento, pode ter mais de 60 escoladas fechadas.

De acordo com a Brasil Forbes, também há contestações de que a Bridge está "ensinando pornografia" e "transmitindo o evangélio da homossexualidade", como parte do programa de educação sexual em suas escolas.

“Nós não poderíamos permitir o ensino de assuntos sexuais em público. Por que ensinam pornografia nas escolas da Bridge? Essa deterioração moral não pode ser tolerada”, afirmou Kasaija o ministro de Finanças, Planejamento e Desenvolvimento Econômico de Uganda, Matia Kasaija.

Nos últimos anos, o governo de Uganda ganhou uma má reputação internacional pelas suas atitudes homofóbicas, especialmente depois da aprovação do ato anti-homossexualdiade de 2014 (que posteriormente foi declarado inválido por um tribunal local).

Nenhum comentário

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto, caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência. Comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados.
Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico.

SITE O CORREIO DE DEUS