Page Nav

HIDE

Classic Header

{fbt_classic_header}

ÚLTIMAS:

latest

Covil de Salteadores: Citado na Lava Jato, Jaques Wagner vai assumir cargo na Bahia

Petista será coordenador do Conselho de Desenvolvimento da gestão de Rui Costa O ex-ministro Jaques Wagner (PT) vai assumir a função de...


Petista será coordenador do Conselho de Desenvolvimento da gestão de Rui Costa

O ex-ministro Jaques Wagner (PT) vai assumir a função de coordenador do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social no governo da Bahia, sob gestão do também petista Rui Costa. De acordo com o G1, a nomeação foi publicada no Diário Oficial do Estado deste sábado (19).

Wagner não atuava em cargos do governo desde maio deste ano, quando ocorreu o afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff. À época, ele era chefe de gabinete da presidente.

Nas redes sociais, o ex-ministro comemorou a nomeação. "Estou muito feliz de estar de volta à Bahia e poder contribuir com nosso projeto. Assumir a coordenação do CODES é desafio que me agrada e estimula: promover diálogo e mediação como método de gestão, como modo de governar", escreveu.

O Conselho que será coordenado por Wagner pretende assessorar Costa na discussão e elaboração de políticas públicas e diretrizes voltadas à promoção do desenvolvimento sustentável do estado.

Lava Jato

O ex-ministro foi mencionado na delação do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Em depoimento, o executivo afirmou que o ex-chefe da Casa Civil recebeu verba desviada da Petrobras em 2006, quando concorria ao governo da Bahia.

Em julho, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello determinou envio de um pedido de abertura de inquérito ao juiz Sergio Moro contra o petista. O pedido do apresentado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chegou ao STF por meio de processo sigiloso.

O documento afirmava que Janot pediu a abertura de inquérito "em razão de fatos possivelmente ilícitos relacionados a Jaques Wagner". A decisão de Celso de Mello, no entanto, não detalhava as suspeitas que caem sobre o ex-ministro. A PGR não comentou se houve atualização sobre o caso.