Não há solução rápida para mais recente "onda de terror" em Israel, diz Netanyahu

Nenhum comentário

Por Jeffrey Hodgson e Ori Lewis

JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira que não há solução rápida para a onda de ataques “solitários” de palestinos que vem sendo enfrentada pelo Estado judeu nos últimos dias.

Quatro pessoas, incluindo um soldado israelense, foram esfaqueadas e feridas perto de um quartel-general militar em Tel Aviv enquanto uma onda de ataques do tipo se espalhou pela capital comercial de Israel.

O agressor foi morto a tiros por um soldado ao tentar fugir, informou uma porta-voz da polícia.

“Estamos em meio a uma onda de terror... Não há solução mágica e as ações (sendo tomadas) não rendem resultados imediatos, mas com metódica determinação vamos provar que o terror não compensa e vamos derrotá-lo”, disse Netanyahu em um coletiva de imprensa, tendo a seu lado as principais autoridades de segurança do país.

O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, que estava presente, disse não haver necessidade de conduzir uma grande ofensiva na Cisjordânia ocupada e que operações pontuais para prender militantes seriam suficientes para combater o que ele descreveu como “um desafio complexo”.

Na última semana, quatro israelenses foram mortos a faca em Jerusalém e num tiroteio na Cisjordânia. Três palestinos foram mortos a tiros e dezenas de outros ficaram feridos em confrontos com as forças de segurança, provocando o temor de uma escalada maior na violência.

A violência teve início porque os palestinos temem que excursões de judeus, incluindo de parlamentares israelenses, ao local reverenciado pelo judaísmo como Monte do Templo estejam deteriorando o controle religioso dos muçulmanos sobre a mesquita de Al Aqsa, terceiro santuário mais sagrado do Islã.

Da Reuters

Nenhum comentário

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários.

Comentem, mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto, caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas, porém desde que tenham coerência. Comentários de links e propagandas de outras páginas não serão aceitos.
Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico.

Direção O CORREIO DE DEUS