terça-feira, 11 de outubro de 2016

Israel fecha Cisjordânia e Faixa de Gaza para Yom Kippur


Israel fechou nesta terça-feira os acessos da Cisjordânia ocupada e todos os pontos de passagem entre Israel e a Faixa de Gaza para evitar qualquer ato de violência por ocasião do Yom Kippur.

O país inicia um período de festas judaicas, dois dias depois de um ataque em que dois israelenses foram mortos por um palestino.

Em 2015, as celebrações do Yom Kipur e dos Tabernáculos marcaram o início de uma onda de violência que prossegue até hoje.

Por ocasião do Kipur, de terça-feira à noite até quarta-feira à noite, e da festa dos Tabernáculos, a partir de domingo e por uma semana, a Cidade Antiga de Jerusalém recebe milhares de pessoas que visitam o Muro das Lamentações, próximo da Esplanada das Mesquitas.

A esplanada, terceiro local sagrado do islã, venerado pelos judeus como o monte do Templo, fica em Jerusalém Oriental, anexada e ocupada por Israel, e transcende o conflito israelense-palestino.

Mesmo antes do início do Kipur, dezenas de milhares de fieis compareceram durante a noite ao muro pra orar e alguns permaneceram até a madrugada.

Mais de 3.000 policiais foram mobilizados em Jerusalém no período.

Como geralmente acontece em momentos sensíveis, o exército israelense fechou os territórios da Cisjordânia ocupada e da Faixa de Gaza, o que impede os palestinos de sair ou entrar em Israel, exceto para emergências médicas ou humanitárias.

O fechamento de 48 horas envolve apenas os palestinos, e não inclui os quase 400.000 colonos israelenses que vivem na Cisjordânia, ocupada pelo exército de Israel desde 1967.

Para os palestinos, o bloqueio complica muito o dia a dia, o que obrigou muitas lojas do setor muçulmano da Cidade Antiga abrir mais tarde, já que os funcionários precisarão de mais tempo para chegar aos locais de trabalho.

Israel deseja reduzir o risco de ataques palestinos. O Shin Beth (serviço de segurança interna) anunciou nesta terça-feira, de modo oportuno, a detenção, mês passado, de um palestino de Jerusalém que preparava um atentado suicida em um ônibus do bairro de colonos de Pisgat Zeev.

Mohamad Julani atuava sob instruções dos membros do Hamas em Gaza, afirmou o Shin Beth. Ele era ligado ao movimento islamita palestino com o qual Israel está em estado de guerra permanente.

O exército israelense também anunciou a destruição durante a madrugada do apartamento na Cisjordânia de um dos palestinos (Amjad Aliwi) condenados a prisão perpétua pelo assassinato de um casal de colonos em 2015.

O exército afirma que Aliwi era integrante da "célula terrorista responsável pelo planejamento e execução do ataque de 1º de outubro de 2015 em que Naama e Eitan Henkin morreram".

Os quatro filhos do casal Henkin estavam com eles no carro que foi atingido por tiros entre as colônias de Elon Moreh e Itamar, ao leste de Nablus.

Fonte: AFP
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.