segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Inundação na Coreia do Norte deixa mais de 130 mortos e desaparecidos


Mais de 100 mil pessoas foram retiradas das áreas próximas ao rio Tumen. Além disso, mais de 35 mil casas e 8.700 prédios públicos sofreram danos.

Ao menos 133 pessoas morreram e 395 estão desaparecidas em consequência das inundações que afetam o nordeste da Coreia do Norte desde o início do mês, segundo um novo balanço da ONU divulgado nesta segunda-feira (12) em Seul.

O balanço anterior, que datava de quinta-feira, era de 60 mortos.

Além disso, um total de 107 mil pessoas foram retiradas das áreas próximas ao rio Tumen, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), que citou como fonte o governo norte-coreano.

O rio Tumen serve, em parte de seu curso, como fronteira natural entre Coreia do Norte, de um lado, e China e Rússia, do outro.

De acordo com o balanço da OCHA, mais de 35 mil casas e 8.700 edifícios públicos foram danificados ou destruídos pelo aumento do nível do rio, provocado por fortes chuvas.

Um total de 16 mil hectares de cultivos estão inundados e ao menos 140 mil pessoas precisam de ajuda urgente, segundo o comunicado, datado no domingo, mas que foi recebido nesta segunda-feira.

A agência oficial norte-coreana KCNA indicou no domingo que "dezenas de milhares" de casa e edifícios públicos foram destruídos, assim como trechos de ferrovias, estradas, cabos elétricos, fábricas e campos de cultivos.

Os habitantes da província de Hamyong, no nordeste do país, estão sofrendo "grandes dificuldades", segundo a KCNA, que anunciou que uma campanha destinada a estimular a economia nacional foi redirecionada para apoiar as vítimas das inundações.

O objetivo é "reorientar todos os esforços à construção de casas para oferecer um local confortável às pessoas afetadas pelas inundações e transformar em um ano as zonas atingidas em um mundo de sonho sob a égide do Partido dos Trabalhadores", segundo a agência oficial.

Na falta de infraestruturas e equipamentos adequados, a Coreia do Norte é particularmente vulnerável aos desastres naturais, principalmente as inundações causadas, sobretudo, pelo desmatamento das colinas.

Durante o verão de 2012, as inundações e deslizamentos de terra provocados pelas chuvas torrenciais deixaram 169 mortos, 400 desaparecidos e 212.200 deslocados, e arrasaram 650 km2 de terras cultivadas, segundo os meios de comunicação oficiais norte-coreanos.

Inundações e fortes chuvas foram algumas das causas da grande fome que deixou centenas de milhares de mortos entre 1994 e 1998 na Coreia do Norte, um dos países mais isolados do mundo.

O Conselho de Segurança da ONU trabalha em uma nova resolução que pode endurecer as sanções contra o governo de Pyongyang após seu quinto teste nuclear.

Fonte: G1
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.