terça-feira, 13 de setembro de 2016

Cunha é o sétimo deputado cassado desde a criação do Conselho de Ética


Político recebeu nesta segunda na votação que cassou o seu mandato menos de 4% dos votos daqueles que o elegeram ao posto máximo da Casa há um ano e sete meses
AGÊNCIA BRASIL

Com o resultado às 23h50 desta segunda-feira (12), o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) tornou-se o sétimo deputado a ter o mandato cassado desde a criação do Conselho de Ética, em 2001.

Eleito presidente da Câmara, no início de fevereiro do ano passado, com 267 votos, Cunha recebeu nesta terça na votação que cassou o seu mandato menos de 4% dos votos daqueles que o elegeram ao posto máximo da Casa há um ano e sete meses. O percentual não leva em conta aqueles que se abstiveram, nove ao todo, e os 42 deputados que faltaram à sessão.

Votaram para salvar o mandato de Cunha os deputados Carlos Marun (PMDB-MS), Paulinho da Força (SD-SP), Pastor Marcos Feliciano (PSC-SP), João Carlos Bacelar (PR-BA), Wellington Roberto (PR-PB), Arthur Lira (PP-AL), Júlia Marinho (PSC-PR), Dâmina Pereira (PSL-MG) e Jozi Araújo (PTN-AP).

Se abstiveram de votar os deputados Nelson Meurer (PP-PR), Alberto Filho (PMDB-MA), Mauro Lopes (PMDB-MG), Saraiva Felipe (PMDB-MG), Rôney Nemer (PP-DF), Delegado Edson Moreira (PR-MG), Larte Bessa (PR-DF), o líder do governo André Moura (PSC-SE) e Alfredo Kaefer (PSL-PR).

O voto do deputado Delegado Edson Moreira surpreendeu. Isso porque, ao lado do deputado Carlos Marun, ele foi um dos dois parlamentares a fazer discursos contra a cassação de Cunha antes da votação.

Cassação x Impeachment

Ao fazer sua defesa no plenário da Câmara, Cunha usou argumentos bem parecidos aos de Dilma e da defesa dela no processo de impeachment. Assim como a petista, por exemplo, Cunha disse-se vítima de vingança em virtude de ter aceitado a denúncia contra a petista por crime de responsabilidade. Já Dilma, em meio ao impeachment, acusou Cunha de aceitar a denúncia contra ela por vingança pela bancada do PT ter se posicionado favoravelmente à cassação dele no Conselho de Ética.

Além disso, o advogado de Cunha alegou que o pemedebista estava sendo julgado pelo “conjunto da obra” e não pelo fato que motivou a representação, argumentação semelhante à usada pela defesa de Dilma para questionar a legalidade do processo de impeachment.

Na comparação entre as duas votações, o resultado da cassação de Cunha foi mais expressivo do que a de Dilma no processo de impeachment na Câmara. Enquanto 367, dos 513 deputados votaram pela abertura do impeachment no dia 17 de abril, 450 cassaram o mandato de Cunha na noite de hoje. Entre os que apoiaram Dilma e Cunha, respectivamente, 137 votaram contra o processo de impeachment e dez tentaram salvar o peemedebista.

Fonte: O tempo
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.