quarta-feira, 1 de junho de 2016

Evangélica, nova secretária de mulheres é contra o aborto e usa a Bíblia: 'conheço JESUS'


Secretária era a favor do fim da criminalização do aborto até conhecer Deus.

Nesta terça-feira, 31, o Presidente em exercício Michel Temer nomeou a ex-deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP) para o cargo de chefe da Secretaria de Políticas para Mulheres. Bastou a nomeação ser confirmada para que polêmicas envolvendo Fátima fossem publicadas na mídia. Ela é evangélica e disse que sua opinião sobre o aborto, por exemplo, segue os preceitos bíblicos.

Ela é contra o procedimento, até mesmo em casos de estupro. No Brasil, as mulheres tem apoio do Sistema Único de Saúde (SUS) para abortar em alguns casos, um dos mais conhecidos é se ela for vítima de estupro. Essa lei existe desde o ano de 1984, criada do processo de redemocratização do país.

As chefes anteriores da Secretaria, ainda durante o governo da presidente afastada Dilma Rousseff, tinham posturas feministas. Já a nova Secretária é especializada em sociologia e não gosta de levantar bandeiras polêmicas, especialmente aquelas que não seguem o cristianismo. Ela é a favor da família tradicional, formada por homem, mulher e filhos.

A polêmica envolvendo o fato dela ser contra o aborto, até mesmo em casos de estupro, aparece exatamente no dia em que o Senado aprovou uma emenda Constitucional que eleva a pena para quem comete estupro coletivo. O crime de estupro já era hediondo, mas o projeto de lei que vai para Câmara estipula que quando a vítima for violada por mais de dois homens, a pena para os criminosos é a máxima na legislação, 30 anos.

Recentemente, ''uma adolescente de 16 anos revelou que foi estuprada por mais de 30 homens'' no Rio de Janeiro. O estupro coletivo levou Michel Temer a criar projetos de segurança à mulher. Em 2002, em um entrevista, a hoje Secretária argumentou que desde que conheceu Jesus passou a defender o direito da vida para todos. Antes de conhecer Jesus, no entanto, a ex-deputada defendia o fim da criminalização do aborto.

As polêmicas que mesclam política e religião são antigas. No dia 17 de abril, ao votarem pelo impeachment, deputados usaram o nome de Deus para justificar o "Sim" ou "Não" para Dilma Rousseff.

Fonte: Blastingnews
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.