quarta-feira, 1 de junho de 2016

A paz em Israel seria uma realidade? Líderes palestinos e israelenses discutem a paz e estão prestes a chegar num acordo!


O Presidente da Palestina diz que ele não rejeita israelenses com base em sua 'filiação nacional ", e observa que os líderes de direita fizeram as pazes
A declaração de Abbas aos funcionários municipais israelenses que visitam Ramallah, veio um dia depois de o ministro da Defesa recentemente instalado Avigdor Liberman e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu darem ''apoio parcial'' à Iniciativa de Paz Árabe.

Este acordo de paz é uma batalha de muitos anos, e nunca conseguiram estabelecer paz entre os dois países.

Já houve tentativas de paz entre Israel e Palestina?

Sim, e a mais importante foi realizada há mais de 20 anos, em setembro de 1993, durante um encontro histórico na Casa Branca. O conflito começou no início do século 20, quando judeus começaram a comprar terras na Palestina. Nos anos 1930, 170 mil judeus já viviam na região, e os desentendimentos começaram a surgir. Em 1948, após o fim da 2ª Guerra Mundial, esse grupo formou um novo país, Israel, e o espaço palestino foi ficando cada vez menor - eles passaram a ocupar pedaços estreitos e separados de território, como a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Isso desencadeou o conflito entre as duas etnias. Em junho de 1967, aconteceu a Guerra dos Seis Dias, o primeiro confronto armado.

O aperto de mão entre Rabin e Arafat em 1993 foi um gesto de paz inédito. Mas extremistas de ambos os lados se sentiram ofendidos
Conflito sem fim

Conheça os principais acordos de paz feitos na briga por território.

1. 1967

A Guerra dos Seis Dias resultou em várias áreas palestinas ocupadas por tropas israelenses. Uma resolução do Conselho de Segurança da ONU estabeleceu que elas deveriam deixar essas áreas, o que foi cumprido apenas parcialmente. Mesmo assim, surgia o método que ainda hoje guia as tentativas de acordo entre Israel e Palestina: a troca de terra por paz.

2. 1993

Após 26 anos de tentativas frustradas, um acordo foi assinado em 13 de setembro de 1993, em Washington. O encontro reuniu o presidente dos EUA Bill Clinton, o líder da Organização para a Libertação da Palestina Yasser Arafat e o premiê israelense Yitzhak Rabin. Um ano depois, Rabin foi assassinado e seu sucessor recuou em vários dos compromissos firmados.

3. 2000

O acordo de Camp David, de 2000, foi firmado entre Clinton, Arafat e o então premiê de Israel, Ehud Barak. Israel ofereceu a Faixa de Gaza e parte da Cisjordânia, mas não abriu mão de algumas áreas. Já os palestinos queriam a reversão total das fronteiras antes da guerra de 1967. O novo impasse ajudou a dar início à segunda Intifada, o levante armado palestino.

4. 2007

A partir de 2002, um bloco diplomático encabeçado pela ONU tentou convencer os dois lados a dialogar. O resultado foi a Conferência de Annapolis, de 2007, que reuniu o premiê israelense Ehud Olmert e o presidente da OLP Mahmoud Abbas. Mas o grupo palestino Hamas, que tinha acabado de ocupar Gaza, declarou que não apoiaria nenhuma decisão. (Fonte: Mundo estranho)


Nos dias de hoje, líderes tanto de Israel quanto da Palestina tentam firmar um acordo de paz que seja viável para ambos os países. As notícias não param de sair mostrando o interesse entre os dois países de firmarem um acordo de paz. Qual será o desfecho desta história? Israel não estaria fazendo acordo de paz com inimigo? Israel não estaria entrando numa emboscada?

Devemos lembrar sempre de uma passagem; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. (1 Tessalonicenses 5:3)

Por Cezar S D S Scholze
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.