sexta-feira, 6 de maio de 2016

O poder do Vaticano: Papa dá lição sobre Europa a líderes da UE


O Papa Francisco pediu nesta sexta-feira aos líderes europeus, todos presentes no Vaticano, que superem os egoísmos nacionais para "construir pontes e derrubar muros" e mudar seu modelo econômico, considerado injusto para a maior parte das populações.

Em um discurso na forma de lição sobre a Europa, o Papa argentino chamou todos os europeus e, especialmente, seus líderes, a retornar às fontes do projeto europeu e "ousar" uma mudança radical, especialmente econômica.

"Os projetos dos Pais Fundadores, arautos da paz e profetas do futuro, não foram ultrapassados: eles inspiram, hoje mais do que nunca, a construir pontes e derrubar muros", disse Jorge Bergoglio, que recebeu o prêmio Carlos Magno por seu compromisso com a unificação europeia na enorme sala Regia, localizada ao lado da capela Sistina.

A cerimônia foi realizada no Vaticano, e não em Aix-la-Chapelle (Alemanha), onde o prêmio é tradicionalmente concedido, na presença da maioria dos líderes da UE, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel.

"O que aconteceu com você, Europa humanista, paladina dos direitos humanos, da democracia e da liberdade?", questionou o papa Francisco, recordando "a impressão geral de uma Europa cansada e envelhecida, estéril e sem vida", mencionado em seu discurso perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo, em novembro de 2014.

Pais fundadores

"Eu sonho com uma Europa onde ser um migrante não é um crime", disse ele, lamentando "uma Europa que está cavando trincheiras, em vez de privilegiar ações que promovam uma nova dinâmica na sociedade".

"A identidade europeia é, e sempre foi, uma identidade dinâmica e multicultural", capaz de integrar "as mais diversas culturas e sem nenhuma ligação aparente entre elas", frisou.

"Nos esconder em nossas pequenas zonas de conforto não é uma solução", reconheceu pouco antes o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, antes do discurso do Papa.

Este último também atacou a falta de ambição dos líderes europeus, tentados a "adotar mudanças meramente cosméticas ou compromissos vacilantes para corrigir alguns tratados".

Ele os incentivou a "ousar" para alterar o modelo vigente. E, em particular, o seu modelo econômico, que ele criticou, recordando os estragos do desemprego, especialmente entre os jovens.

"Como evitar a perda de nossos jovens, que acabam por partir para outro lugar em busca de ideais e senso de pertencimento, porque aqui na sua terra, não sabemos oferecer-lhes oportunidades e valores?", questionou o pontífice argentino.

A resposta está em uma política econômica diferente, explicou, que não esteja orientada "a serviço de poucos, mas para o benefício das pessoas e da sociedade".

Como tem feito em várias ocasiões, em particular na sua encíclica sobre o meio ambiente, "Laudato Si", o papa Francisco denunciou duramente a "especulação", a "cultura do lucro" e "corrupção", defendendo a transição de uma "economia fluida" com base nas finanças para uma "economia social".

"Eu sonho com uma Europa en que não podemos dizer que o seu compromisso com os direitos humanos foi a última utopia", concluiu o Francisco.

Além da chanceler alemã e Jean-Claude Juncker, participaram da cerimônia os presidentes do Conselho Europeu Donald Tusk, do Parlamento Europeu Martin Schulz, do Banco Central Europeu Mario Draghi e o rei espanhol Filipe VI, além do líder italiano Matteo Renzi e a chefe da diplomacia europeia Federica Mogherini.

Desiludidos, os líderes europeus constataram na véspera na capital italiana, na mesma sala onde foi assinado o Tratado de Roma, em 1957, a sua consternação com o aumento do populismo na Europa.

"A Europa é uma promessa, mas uma promessa que não foi mantida", disse Martin Schulz.

"Alguns poderiam dizer, com um sorriso de escárnio, que a UE deve estar muito mal para chegar ao ponto de recorrer ao Papa", observaram, amargos, Jean-Claude Juncker e Martin Schulz, na quinta-feira.

Da AFP
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.