sábado, 21 de maio de 2016

Bolívia promulga polêmica lei de identidade de gênero


Norma possibilitará que as pessoas transexuais atualizem seus dados de sexo e de identidade nos documentos legais, um instrumento questionado pelas Igrejas católica e evangélica

AFP

A Bolívia promulgou neste sábado (21) uma polêmica lei de identidade de gênero, que possibilitará que as pessoas transexuais atualizem seus dados de sexo e de identidade nos documentos legais, um instrumento questionado pelas Igrejas católica e evangélica.

"Hoje acaba a história de uma proscrição social. Vocês (transexuais e transgênero) são uma realidade. É uma hipocrisia social negar sua existência", afirmou o presidente em exercício, Álvaro García durante a promulgação da norma, no Palácio de Governo.

O presidente Morales está em visita oficial a Cuba.

A lei estabelece o procedimento administrativo para a mudança de nome, informação sobre sexo e fotografia das pessoas transexuais e transgênero em toda documentação pública e privada.

Representantes das Igrejas católica e evangélica questionaram a norma, criticando a forma de sua aprovação e pedindo um debate mais amplo sobre seu conteúdo e alcances.

García pediu tolerância, aos que se opõem à lei, porque "a democracia é reconhecimento da diversidade".

Ele chegou a citar o papa Francisco, que, em uma entrevista em 2015, disse a um transexual que ele também era filho de Deus. O sumo pontífice declarou ainda que a Igreja católica aceitava-o como era.

"Se o Papa diz isso, quem somos nós para julgar e negar o reconhecimento de uma pessoa que quis modificar sua identidade sexual?", questionou.

Com o reconhecimento de sua identidade, as pessoas transexuais e transgênero ganham "capacidade jurídica para exercer direitos e obrigações", explicou a ministra da Justiça, Virginia Velasco, acrescentando que a legislação permitirá a esse grupo ter acesso aos direitos referentes à saúde, à educação, ao trabalho e ao exercício do voto.

"Podemos comprovar que estamos em um Estado novo com capacidade de integrar cada uma das pessoas que foram vilipendiadas e que não tinham direitos. A identidade é o primeiro direito fundamental", afirmou Tamara Nuñez, representante do coletivo de pessoas transexuais.

Na sexta-feira (20), a Igreja católica manifestou "sua preocupação e rejeição ao Projeto de lei de Identidade de Gênero", considerando que não mereceu debate público o suficiente, o qual cabe a toda norma que afeta a família, a célula básica da sociedade".

Por meio de seu pastor, Sergio Gutiérrez, a Igreja Evangélica pediu que o assunto seja resolvido em um referendo nacional.

Fonte: O Tempo
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.