O Seu portal conservador de notícias, Evangelismo e Informação em defesa da fé Cristã

  • Últimas Notícias

    06 maio 2016

    Ativistas querem personagens gays em desenhos infantis


    Por Jarbas Aragão

    Dois dos filmes que estão entre as maiores bilheterias da história do cinema em breve devem ganhar continuação: Frozen – Uma aventura Congelante (2013) e Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força (2015).

    As sequencias planejadas para serem lançadas nos próximos anos estão sendo alvo de campanhas na internet promovidas por grupos LGBT. O objetivo é que ambos tenham entre os novos personagens, algum que seja homossexual.

    Frozen, da Disney, é o desenho animado de maior sucesso do estúdio. Um de seus diferenciais é que a princesa Elsa não termina (como de costume) com um príncipe encantado. Além disso, sua música tema “Let it Go”, tornou-se uma espécie de “hino gay” entre adolescentes americanos.

    Jonathan Groff, um de seus principais animadores, é abertamente gay. Mas foram grupos ativistas ‘pró-gay” os responsáveis pela campanha #GivaElsaAGirlfriend [Dê uma namorada para a Elsa].

    O objetivo da pressão nas redes sociais é fazer com que a princesa “saia do armário de gelo” e revele ser lésbica na continuação da animação, prevista para 2018. Um dos motivos para isso é o fato de canais do grupo Disney já terem incluído personagens gays em seus programas infantis.

    A apresentação de novos personagens LGBT nos filmes restantes da saga Star Wars também é parte dessa campanha “inclusiva”. A franquia, que tem forte apelo para crianças, hoje pertence à Disney. Ela é alvo de uma campanha bem ampla, coordenada pela maior organização “pró-gay” do mundo, o GLAAD, sediada nos EUA.

    O ‘manifesto’ que foi disseminado pelo grupo na internet afirma que “Como os projetos de ficção científica têm a oportunidade especial de criar mundos únicos, cujas sociedades avançadas podem servir como um espelho da nossa, parece óbvio que a Disney poderia incluir personagens LGBT no oitavo filme de ‘Star Wars'”.

    Outro argumento forte é que a sétima parte da saga já quebrou paradigmas ao colocar como protagonistas um negro e uma mulher. A próxima ‘minoria’, segundo o GLAAD são os homoafetivos e os transgêneros.

    Essa é uma tendência crescente, uma vez que, dentre os 126 principais lançamentos cinematográficos do ano passado, 22 deles (17,5%) mostram personagens LGBT. Com informações de Time e Charisma

    Via Gospel Prime e Libertar.in

    Sobre

    Exclusivamente voltado para matérias informativas em questões apologéticas, notícias e estudos bíblicos, este site tem o objetivo de servir como ferramenta de evangelização bem como alerta e preparo à igreja cristã sobre os últimos eventos que antecedem a Volta Gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Termos de Uso

    Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Site "O Correio de Deus". Não é permitido a alteração do conteúdo original sem a devida notificação de alteração em cópia extraída deste site e muito menos a utilização para fins comerciais.
    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença