O Seu portal conservador de notícias, Evangelismo e Informação em defesa da fé Cristã

  • Últimas Notícias

    12 abril 2016

    Gim Argello usou até ''Igreja Católica'' para movimentar parte da propina de R$ 5,3 milhões, diz MPF


    O Ministério Público Federal (MPF) disse nesta terça-feira que as propinas pagas ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF) chegaram a mais de R$ 5,3 milhões. Este seria o montante recebido por ele para barrar investigações relacionadas às empreiteiras UTC e OAS na CPI da Petrobras, instalada em 2014. O ex-senador Gim Argello (PTB-DF) foi preso preventivamente na manhã de hoje 28ª fase da Operação Lava-Jato. A Força-Tarefa frisou que esta operação não investiga outros políticos envolvidos no esquema.

    Segundo os procuradores, Argello recebia dinheiro para não convocar empreiteiros para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito. Além de delações que indicavam a participação de Argello no esquema , a Polícia Federal disse que houve interceptações de ligações telefônicas e outros materiais apreendidos que comprovam o crime de corrupção.

    A propina era recebida também por partidos e grupos políticos indicados pelo então senador — foram citados DEM, PR, PMN e PRPB. O dinheiro vinha por meio de doações a partidos políticos que compunham a CPI. Além disso, R$ 350 mil foram pagos à Paróquia São Pedro, em Taguatinga, no DF, frequentada por Gim. Segundo a Força-Tarefa, a paróquia foi indicada por Gim para receber doação — numa conta corrente da igreja.

    — Não temos, nos documentos da Lava-Jato, documentos de qualquer pessoa com foro — disse o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, salientando que esta investigação ocorreu após a separação dos processos entre quem tem foro (com o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria Geral da República) e quem não tem (com Curitiba).

    Segundo o procurador Athayde Ribeiro Costa, “é uma gravidade e audácia de Gim (Argello) usar a CPI para cometer crimes (…) é gravíssimo usar uma CPMI para praticar crimes que deveriam ser investigados”.
    — Travestir propina em forma de doações legais é uma coisa que existe há muito tempo, agora vamos nos aprofundar sobre isso — ressaltou Carlos Fernando.

    DELCÍDIO E UTC DELATARAM

    Gim Argello apareceu nas delações do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) e do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa na Lava Jato. Segundo o Ministério Público, há evidências do pagamento de propina a Gim de R$ 5 milhões pela UTC e de R$ 350 mil pela OAS. Também estão sob investigação pedidos de propina dirigidos a outras empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras.

    A Polícia Federal cumpre 22 mandados judiciais sendo dois de prisão temporária, um de prisão preventiva, 14 de busca e apreensão e cinco de condução coercitiva. A sede da empreiteira OAS, na região central de São Paulo, é um dos alvos de busca e apreensão da nova fase.
    Os presos temporariamente são Paulo Cesar Roxo Ramos e Valério Neves Campos, ambos ligados a Argello e que foram presos em Brasília. Eles serão levados a Curitiba ainda na tarde desta terça-feira.

    Foram conduzidos coercitivamente: Jorge Argello Júnior, filho do ex-senador Gim, Roberto Zardi Ferreira Jorge, Gustavo Nunes da Silva Rocha, Dilson de Cerqueira Paiva Filho e Marcos Paulo Ramalho. Esses dois últimos serão ouvidos em condução coercitiva na Polícia Federal em São Paulo.
    Segundo o MPF, o pagamento à paróquia é associado a uma pessoa identificada como “Alcoólico”, que seria o apelido de Gim Argello, por ser um trocadilho com a bebida “Gim”. O apelido apareceu em troca de mensagens de Léo Pinheiro com Otávio Marques de Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez, outra empreiteira envolvida no esquema da Petrobras. (*especial da Agência O Globo)

    Sobre

    Exclusivamente voltado para matérias informativas em questões apologéticas, notícias e estudos bíblicos, este site tem o objetivo de servir como ferramenta de evangelização bem como alerta e preparo à igreja cristã sobre os últimos eventos que antecedem a Volta Gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Termos de Uso

    Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Site "O Correio de Deus". Não é permitido a alteração do conteúdo original sem a devida notificação de alteração em cópia extraída deste site e muito menos a utilização para fins comerciais.
    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença