segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Israel pode ganhar um novo inimigo: a China


Governo chinês apoia criação de Estado independente da Palestina


Apesar o bom relacionamento econômico entre Israel e a maior potência emergente do mundo, a China, no campo das relações exteriores os países estão em ritmo de colisão.

O presidente chinês, Xi Jinping fez uma declaração bombástica em um discurso na sede da Liga Árabe na capital egípcia, Cairo, na quinta (21). Essa foi a primeira visita de um líder chinês ao país islâmico em 14 anos.

Na ocasião, afirmou que os palestinos deveriam desfrutar de plena soberania sobre o território estabelecido após a Guerra dos Seis Dias, de 1967. Isso significa dividir Jerusalém, deixando a porção oriental como capital da Palestina.

Os comentários de Xi foi comemorado pelas nações árabes que defendem a criação de um estado independente que una os territórios da Cisjordânia e a Faixa de Gaza. O chefe de Estado chinês considerou a questão da Palestina como “crucial para a paz no Médio Oriente”.

Pediu que a comunidade internacional contribua para a retomada das negociações entre Israel e a Autoridade Palestina. Anunciou ainda a doação de 7,5 milhões de dólares em ajuda aos palestinos.

O governo chinês divulgou durante o encontro o seu primeiro documento sobre a política árabe. Nele, reforça o desejo de uma maior cooperação política, econômica e de segurança com a região que é o principal fornecedor de petróleo e o sétimo maior parceiro comercial de Pequim.

“A China está pronta para fortalecer o intercâmbio de combate ao terrorismo e cooperação com os países árabes para estabelecer um mecanismo de cooperação para a segurança a longo prazo, reforçar o diálogo político e o intercâmbio de informações de inteligência, e realizar a cooperação técnica e treinamento de pessoal para abordar conjuntamente a ameaça do terrorismo internacional e regional”, afirma o documento chinês.

No sábado (23), Xi Jinping iniciou uma visita ao Irã, o país que mais faz ameaças a Israel. Após reunião com o presidente iraniano, Hassan Rohani, Jinping afirmou: “A China está pronta para elevar o nível das relações bilaterais e da cooperação, para que um novo capítulo comece”.

Com o fim do embargo contra o Irã, capitaneado pelos EUA, a China quer reforçar seu papel como o maior parceiro comercial do regime de Teerã. O comércio entre os dois países foi de cerca de US$ 52 bilhões em 2014.

“A China sempre ficou ao lado da nação iraniana durante os dias difíceis”, lembrou Rouhani. O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou que o Irã não vai esquecer do apoio da China na época das sanções.

Detentora de um assento no Conselho de Segurança da ONU, o apoio da China à Palestina e a proximidade com o Irã pode ser decisivo em votações contra Israel no futuro.

Além disso, há um acordo estratégico com o Paquistão que permitiria às forças militares chinesas utilizarem a nova rodovia que atravessa a cordilheira do Karakoram. Revitalizando o antigo trecho terrestre da “Rota da Seda”, estariam ligados por terra ao Oriente Médio via Irã chegando até a Turquia.



O objetivo declarado seria “proteger seus interesses” na região. Com informações de Sputnik e RT
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.