Jerusalém - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, avalia revogar a permissão de residência em Israel dos palestinos de vários bairros de Jerusalém Oriental, possibilidade que foi criticada por vários de seus ministros.

A medida, que está ainda em estudo, afetaria cerca de 80 mil palestinos, dos mais de 370 mil que vivem em Jerusalém, descrita pelo parlamento israelense como capital "eterna e unificada" de Israel, informou nesta segunda-feira a imprensa local.

Netanyahu levou sua proposta há duas semanas ao gabinete de segurança do Conselho de Ministros por causa da onda de violência que sacode a região, e no qual participam mais de 15 moradores dos bairros palestinos da cidade, que ficam na parte oriental ocupada por Israel desde 1967.

O status de residente dá a população desses bairros direito de se movimentar livremente por todo o território de Israel, ao contrário da população da Cisjordânia que precisa de permissões especiais.


Segundo o "Times of Israel", a proposta fazia parte do pacote de medidas estudado, e depois aprovado em parte pelo governo israelense para conter uma onda de violência que começou em 1º de outubro, que deixou nove israelenses, um eritreu e um árabe-israelense mortos.

No mesmo período morreram 55 palestinos (metade deles agressores ou supostos agressores), e mais de mil ficaram feridos nos incessantes protestos contra o exército israelense na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

"Devemos examinar a possibilidade de cancelar sua residência. Devemos realizar um debate sobre o tema", disse Netanyahu aos seus ministros.

Alguns dos ministros disseram ao "Times of Israel" e ao jornal "Israel Hayom" que se surpreenderam com a ideia porque significaria mais um passo para a divisão da cidade.

"É uma decisão de grande alcance que requer um referendo, porque suporia entregar território (soberano)", disse na reunião o titular de Transporte, Yisrael Katz, em referência a parte leste de Jerusalém, anexada por lei em 1980 e considerada pela legislação local como território soberano israelense.

A resolução parlamentar de anexação foi rejeitada pela comunidade internacional, e de fato não tem validade fora de Israel.

O tema de Jerusalém é um dos assuntos centrais do conflito do Oriente Médio, e os palestinos consideram o leste da cidade, incluída a Cidade Antiga, sua capital.

Algumas medidas adotadas pelo governo israelense para conter a violência do último mês, entre elas a instalação de um muro de separação em vários desses bairros, já tinham gerado forte polêmica em nível interno pela interpretação que poderiam ter, e obrigaram o primeiro-ministro a voltar atrás.

Segundo o Canal 2, a proposta de revogar a residência dos palestinos desses bairros não voltou a ser estudada pelo gabinete de segurança.

Da EFE

Via: Exame

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.