segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Guerras continuam sendo a maior causa da fome, diz relatório



Berlim - Cerca de 795 milhões de pessoas passam fome no mundo e os conflitos armados têm uma relação direta com essa situação, de acordo com o Índice Global da Fome (GHI) de 2015, que aponta que 172 milhões de pessoas sofrem atualmente com as consequências de uma guerra.

"Conflitos como o da Síria, Iraque e Sudão do Sul são os principais causadores da fome", disse nesta segunda-feira em Berlim Bärbel Dieckmann, presidente da ONG alemã Welthungerhilfe (Ajuda Mundial contra a Fome).

Esta ONG, que elabora anualmente o índice junto à irlandesa Concern Worldwide e ao Instituto Internacional de Pesquisa sobre Políticas Alimentícias (IFPRI), lembrou que "mais de 80% dos refugiados no mundo todo ficam em sua terra ou nos países vizinhos".

Estas pessoas "são as que mais sofrem com a violência e a situação sem perspectivas" e, "despercebidas pela comunidade internacional, têm que lutar a cada dia para conseguir comida, água e atendimento médico", ressaltou Dieckmann.

Segundo o relatório, uma média de 42,5 mil pessoas fugiram no ano passado diariamente de seus lares e aproximadamente 59,5 milhões no mundo todo vivem deslocadas por causa dos conflitos armados.

"Só com a eliminação das causas dos conflitos armados, na Síria, por exemplo, podemos acabar com a fome a longo prazo", advertiu Dieckmann.

Os dois países com o maior índice de fome -República Centro-Africana e Chade, seguidos pela Zâmbia,- viveram um conflito armado ou estiveram imersos na instabilidade política nos últimos anos, recolhe o relatório.

Enquanto isso, Angola, Etiópia e Ruanda, países que há 20 anos ainda estavam imersos em uma guerra civil, melhoraram substancialmente sua situação desde o fim de suas respectivas disputas.

O índice mostra uma evolução positiva também nos países em desenvolvimento, que desde o ano 2000 progrediram notavelmente no combate à fome, e cujo índice em nível global caiu 27%.

Entre os dez países que alcançaram desde 2000 a maior redução de seu índice de fome (entre 53% e 71%) figuram três sul-americanos -Brasil, Peru e Venezuela- , um asiático (Mongólia), quatro ex-repúblicas soviéticas (Azerbaijão, Quirguistão, Letônia e Ucrânia) e duas ex-repúblicas iugoslavas (Bósnia e Croácia).

"Estamos mais confiantes do que nunca de que podemos vencer a fome sempre e quando não nos conformemos com o conseguido até agora", declarou Klaus von Grebmer, analista do IFPRI.

Apesar dos avanços registrados no combate à crise de fome no mundo, 44 dos 117 países compreendidos no índice continuam apresentando níveis "muito graves", e em outros 8, "alarmantes".

A fome no mundo continua sendo um desafio, com uma em cada nove pessoas com desnutrição crônica e mais de 15% das crianças com atrasos no crescimento como consequência de deficiências nutricionais.

O Índice Global da Fome, que é atualizado todos os anos e teve sua décima edição apresentada hoje, não inclui alguns dos países mais pobres do mundo por falta de dados, o que faz pensar que a situação de crise de fome global pode ser inclusive pior do que a refletida neste documento, advertiram seus autores.

Da EFE
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.