O Seu portal conservador de notícias, Evangelismo e Informação em defesa da fé Cristã

  • Últimas Notícias

    19 setembro 2015

    Futebol é engano: FIFA SABIA DE ESQUEMA PARALELO DE VENDA DE INGRESSOS DESDE A COPA DE 1990


    BENNY ALON, UM DOS EMPRESÁRIOS QUE POR MAIS TEMPO ATUOU NOS BASTIDORES DESSE MERCADO, REVELOU DOCUMENTOS SOBRE O CASO

    O milionário mercado paralelo de revenda de entradas para as Copas do Mundo se proliferou sob os olhos da própria Fifa, em um esquema que passou a ganhar força a partir de 1990 e foi liderado pelas empresas que detinham o monopólio para a venda dos ingressos.

    O alerta é de um dos empresários que por mais tempo atuou nos bastidores desse mercado: Benny Alon. Ele revela documentos, e-mails e contratos que escancaram que um mercado negro passou a ser operado com o conhecimento dos próprios cartolas. Na última quinta-feira, ele apresentou e-mails implicando Jérôme Valcke na revenda de entradas para o Mundial de 2014. O francês nega. Mas foi afastado pela Fifa e uma investigação foi aberta.

    À reportagem, Alon revela como funcionou o esquema. "Ingressos para o Mundial são como uma mulher sedutora. Você pode ficar fascinado. Mas precisa ter cuidado", comentou. O empresário israelense/norte-americano não faz mea-culpa sobre o mercado negro. "Ele é necessário. Não é algo ruim", declarou.

    Mas Alon garante que, em mais de 30 anos no setor, jamais comprou entradas sem a autorização da Fifa ou de agentes da entidade. "Você nunca ouviu falar de mim, nossa empresa não tem um site nem fazemos publicidade. Mas temos os melhores ingressos para a Copa e vendemos para as grandes empresas", disse. "Só na final entre Argentina x Alemanha, em 2014, eu tinha 1,5 mil lugares no Maracanã", garantiu.

    Segundo ele, a operação de entradas em um Mundial não é uma novidade entre os cartolas. "A Copa de 1990 foi a primeira que representou um grande negócio", disse.

    Documentos vistos pela reportagem revelam que, já ali, o britânico Ray Whelan comprou 4,5 mil entradas para os jogos na Itália. Whelan, mais tarde diretor da Match, foi a pessoa que, em 2014, acabaria sendo presa no Rio suspeita de atuar no mercado negro. Em 1990, porém, ele assinava contratos em nome da empresa Mundicor e sua atuação deixou os organizadores italianos preocupados.

    Em uma carta, Luca de Montezemolo, presidente do Comitê Organizador Local, alertava que haviam sido informado sobre uma fonte de ingressos da qual ele "desconhecia". Para Montezemolo, a Mundicor violava as regras de exclusividade na venda de entrada. Mas, em uma resposta, a Fifa acabou adotando tom de apoio a Whelan e aceitou que os pacotes oferecidos pelo britânico pudessem ser vendidos.

    Nas edições seguintes dos Mundiais, dois irmãos mexicanos começariam a ganhar espaço na Fifa: Jaime e Enrique Byrom. Whelan era casado com uma das irmãs dos Byroms. "À medida que os anos foram passando, a família aumentou o controle sobre os ingressos e, em 2002, os dois ficariam com o controle de todos os ingressos e acomodações", revelou Alon.

    Um dos pontos mais claros do envolvimento de um esquema para revender ingressos ocorreu na Copa da Alemanha, em 2006. Naquele Mundial, a empresa iSe, formada pela Dentsu e a Publicis, passaria a ser uma das operadoras de bilhetes de alto nível. Alon seria um de seus principais operadores.

    A iSe ganhou em 2003 um contrato para comprar por US$ 270 milhões um total de 346 mil ingressos da Fifa para o Mundial de 2006. Na Copa do Japão e da Coreia do Sul, em 2002, a empresa de marketing da Fifa, a ISL, havia falido. Mas a Dentsu se comprometeu com Joseph Blatter a assumir toda a operação e garantir que a Copa fosse um sucesso. Um ano depois, a empresa seria compensada com um contrato milionário.

    Nos meses seguintes, porém, a Fifa faria algumas mudanças no contrato. No dia 8 de agosto de 2005, a iSe seria informada que Jaime Byrom iria passar a operar "sob o nome do Escritório de Ingressos da Fifa". "Jaime teria mãos livres para operar", explicou Alon.

    No total, a Fifa - representada por Jaime Byrom - repassou para a iSe apenas 239 mil ingressos e não as 346 mil entradas acertadas pelo contrato de 2003. Além disso, milhares de outras entradas seriam devolvidas, como "não vendidas". "Cerca de 2 mil ingressos para o jogo de abertura da Alemanha em Munique foram considerados como não vendidos e devolvidos", contou Alon. Segundo o empresário, esses ingressos devolvidos não foram jogados no lixo. "Mais de 110 mil ingressos entraram no mercado, o que representa um lucro de US$ 110 milhões", indicou.

    Em uma carta enviada pelo então secretário-geral da Fifa, Urs Linsi, para a direção da iSe, a entidade reconhecia que sabia que parte dos ingressos da empresa estava sendo vendida no mercado negro. Mas, além de uma bronca, nenhuma medida foi adotada. Alon ainda aponta como a empresa dos irmãos Byrom ganharia ainda mais poder a partir de 2010, quando ficou responsável por ingressos, tecnologia, hospitalidade, acomodação e transporte. "Uma só empresa tem todo o negócio da coluna vertebral da Fifa", disse.

    ÉPOCA NEGÓCIOS

    Sobre

    Exclusivamente voltado para matérias informativas em questões apologéticas, notícias e estudos bíblicos, este site tem o objetivo de servir como ferramenta de evangelização bem como alerta e preparo à igreja cristã sobre os últimos eventos que antecedem a Volta Gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Termos de Uso

    Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Site "O Correio de Deus". Não é permitido a alteração do conteúdo original sem a devida notificação de alteração em cópia extraída deste site e muito menos a utilização para fins comerciais.
    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença