quarta-feira, 15 de julho de 2015

Rivais, Arábia Saudita e Israel se unem na crítica a acordo nuclear


A Arábia Saudita, cuja população segue majoritariamente o ramo sunita do islamismo, teme que o acordo aumente a influência regional de seu rival Irã, xiita

Rivais, os vizinhos Arábia Saudita e Israel devem se unir nas críticas ao acordo histórico entre o Irã e potências mundiais, que visa limitar o programa nuclear da República Islâmica.
Sob o acordo, sanções impostas pelos EUA, pela União Europeia e pelas Nações Unidas serão suspensas em troca de o Irã limitar a longo prazo o seu programa nuclear para que não tenha capacidade de construir uma bomba atômica.

A Arábia Saudita, cuja população segue majoritariamente o ramo sunita do islamismo, teme que o acordo aumente a influência regional de seu rival Irã, xiita.

"Como vizinhos do Irã, nós aprendemos nos últimos 40 anos que a boa vontade nos levou apenas a colher uvas amargas", disse à agência de notícias Reuters uma autoridade saudita que pediu anonimato. O país não se pronunciou publicamente sobre o acordo nuclear anunciado nesta terça-feira (14).

As tensões entre a Arábia Saudita e o Irã ganham expressão no conflito no Iêmen, onde os rebeldes xiitas Houthi, apoiados pelo Irã, iniciaram uma campanha contra o governo. Em resposta, a Arábia Saudita iniciou uma intervenção militar bombardeando posições dos rebeldes.

Por sua vez, Israel disse que o acordo é um "erro histórico" e que não impedirá o Irã de desenvolver uma bomba nuclear, o que representaria uma ameaça a sua segurança.

"O Irã receberá um caminho direto à armas nucleares. Muitas das restrições que deveriam impedir que isso acontecesse serão derrubadas", disse o premiê israelense, Binyamin Netanyahu.

Israel acusa o Irã de apoiar grupos inimigos do Estado judeu, como o Hizbullah no Líbano e o Hamas nos territórios palestinos.

Após 20 meses de difíceis negociações, representantes do Irã e do grupo chamado G+1 (Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido, mais Alemanha) chegaram a um acordo definitivo que pode ajudar a reformular a tortuosa relação do Irã com o Ocidente.

Líder supremo

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, agradeceu a equipe de diplomatas do país que selou o acordo nuclear com as potências. Esta é a sua primeira reação desde o fechamento do pacto.

Segundo comunicado divulgado pelo site oficial, os agradecimentos foram feitos durante reunião com o presidente Hasan Rowhani. Nela, referiu-se ao grupo de negociadores como "verdadeiros e trabalhadores duros".

O encontro ocorreu logo após o fim do jejum diurno do ramadã (mês sagrado para os muçulmanos).

A assessoria do líder supremo, no entanto, não fez nenhum comentário sobre a opinião de Khamenei sobre o acordo.

Em pronunciamento durante a tarde em Teerã (manhã em Brasília), Rowhani comemorou o acordo e afirmou que o país iniciou um novo capítulo nas relações com o mundo.

"Hoje é o fim dos atos de tirania contra nossa nação e o início da cooperação com o mundo. Trata-se de acordo recíproco. Se eles se comprometem com isso, nós também o faremos. Nós sempre cumprimos nossas promessas e tratados."

O acordo é comemorado nas ruas do país desde o início da tarde. A festa cresceu durante a noite, após o fim do jejum diurno do ramadã, quando milhares de pessoas começaram a lotar as ruas de Teerã e de outras cidades iranianas.

Os manifestantes faziam buzinaços, acenavam com sinais de vitória, balões e bandeiras iranianas. As comemorações devem voltar a se repetir quando chegar o time chefiado pelo chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif.

Cessão

Khamenei tem a última palavra em qualquer acordo internacional assinado pelo Irã. Por isso, o pacto nuclear com as potências mostra que ele aparentemente cedeu em duas de suas exigências conhecidas até o momento.

A primeira delas é a proibição à entrada de observadores da Agência Internacional de Energia Atômica nas instalações nucleares. Para ele, as inspeções violavam a soberania das instalações militares iranianas.

Entretanto, o acesso não é garantido e poderia ser adiado, condição que os críticos do acordo certamente apontarão como uma forma de dar a Teerã tempo para encobrir qualquer atividade ilegal.

O outro ponto é o fim imediato de todas as sanções contra o Irã. Pelo relatório divulgado nesta terça (14), as punições vão ser tiradas gradualmente, sendo as primeiras as restrições econômicas.

O tempo
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.