terça-feira, 14 de julho de 2015

Feriado muçulmano é marcado por gritos de “morte a Israel”


Manifestações ocorreram na data em que acordo nuclear deveria ser assinado

A data-limite estabelecida pelos negociadores iranianos e os da ONU para assinarem o acordo nuclear era sexta-feira (10). Uma solução definitiva não foi alcançada e não se sabe até que ponto o Irã aceitará paralisar seu programa de produção de armas nucleares em troca do fim das sanções econômicas.
Embora a grande mídia pouco tenha divulgado, a data coincidiu com o chamado “dia de Al Quds” no calendário muçulmano, a última sexta do Ramadã. Seguindo a tradição corânica, é o dia santo da semana no período mais santo do ano.
É feriado no Irã e por isso as ruas estavam cheias de muçulmanos devotos “comemorando” a data. Al Quds em árabe significa “A Santa”, nome dada a Jerusalém pelos islâmicos. A data foi proclamada feriado em 1979 pelo influente aiatolá Ruhollah Khomeini como um dever religioso para todos os muçulmanos.
Eles deveriam se reunir em solidariedade contra Israel e pedir a “libertação” de Jerusalém.  Aos poucos foi sendo adotado em outros países. Este ano ocorreram grandes manifestações no Iraque e no Líbano.
O que se via nas ruas de várias cidades, inclusive na capital Teerã eram bandeiras dos Estados Unidos e de Israel sendo queimadas, enquanto eram gritadas palavras de ordem pedindo “Morte a Israel” e “Morte à América”.
Além disso foram exibidos e incendiados pôsteres com as imagens do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu e do presidente dos EUA, Barack Obama, também havia fotos e desenhos do rei saudita Salman, considerado traidor pelos iranianos por causa de sua proximidade política com os americanos. Bonecos representando os três líderes também foram destruídos e queimados em público.
Milhares de manifestações hoje foram feitas por seguidores de Maomé em favor dos palestinos, pediam o fim dos judeus e a retomada de Jerusalém, terceira cidade mais sagrada do Islã.
“O mundo islâmico deve declarar em uníssono neste dia de raiva, seu ódio e sua unidade na resistência contra Israel”, disse o presidente Hassan Rohani numa manifestação do ano passado na capital iraniana. A guerra entre Israel e o Hamas em Gaza estava no auge.
Sites de notícias registram que este ano Rouhani não apareceu publicamente, mas declarou que não podia deixar de manifestar o “seu desagrado com o regime sionista [de Israel] e as forças terroristas”.
O jornal The Jerusalem Post informa que o aiatolá Mohammad Taqi Vaezi, membro da Assembleia de Especialistas do Irã, foi visto gritando “Morte ao regime sionista” e acusando os israelenses de “agressão”.
O Ministério das Relações Exteriores do Irã também pediu o desaparecimento do Estado judeu, convocando os palestinos para “defender os seus direitos, libertar a sua pátria e Al Quds [Jerusalém].”
As autoridades iranianas não se importam com o que o restante do mundo ocidental irá pensar. Mesmo estando em meio a negociações que podem alterar o futuro imediato do Oriente Médio. No início desta semana, o ex-presidente Hashemi Rafsanjani disse: “Israel é um estado temporário e falso. É um objeto estranho no corpo de uma nação e que será apagado em breve.”
O comandante das forças terrestres iranianas, brigadeiro-general Ahmad Reza Pourdastan, declarou que “Os Estados Unidos podem chegar a alguns acordos com nosso país no âmbito do Grupo 5+1 [EUA, Rússia, China, Grã-Bretanha e França, mais a Alemanha], mas nunca iremos ter uma visão positiva do inimigo”.
O atual líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei usou as redes sociais para escrever: “Existem dois lados na opressão: opressor e oprimidos. Apoiamos os oprimidos e somos contra os opressores”.
Apesar desse tipo de colocações mostrarem o que os iranianos realmente desejam, as Nações Unidas negaram-se a ouvir quando Benjamin Netanyahu, afirmou que essas conversações “não representam um avanço, mas sim um colapso”.
Liderados por Obama, os EUA que tradicionalmente são o maior aliado de Israel, estaria pressionando para que o Estado judeu se livrasse de todas as suas armas nucleares para com isso garantir a paz na região.
A decisão final deve ser assinada nesta segunda (13). Os termos do acordo mantêm representantes do Conselho de Segurança da ONU e do Irã em debates contínuos por mais de duas semanas. A “queda de braço” já dura mais de 12 anos.
Em sinal de boa vontade, a União Europeia suspendeu no ano passado algumas sanções contra o Irã envolvendo setores-chave da economia como produtos petroquímicos, comércio de ouro e de metais preciosos e as transferências financeiras.
Permanecem o embargo à venda de armas, a proibição de empréstimos governamentais a autoridades iranianas e as exportações de petróleo e de gás. Para pôr fim ao impasse, Teerã precisa parar suas atividades nucleares e submeter-se à vigilância dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica. Até o momento, o Irã não aceitou os termos propostos.

Gospel Prime
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.