O Seu portal conservador de notícias, Evangelismo e Informação em defesa da fé Cristã

  • Últimas Notícias

    15 outubro 2014

    Acordo Secreto Pode Condenar à Morte 160.000 Pessoas nas Mãos do ISIS

    Tanques turcos observam
    o massacre em Kaboni sem intervir

    Uma decisão secreta, aparentemente, tem sido tomada pelos Estados Unidos, Arábia Saudita, Turquia e até o Irã para deixarem a estratégica cidade curda síria de Kobane, na fronteira da Turquia com a Síria, cair frente aos combatentes do ISIS, colocando em risco a vida de cerca de 160.000 curdos sírios, conforme informação ao site WND de um especialista bem posicionado no Oriente Médio.
    Ao deixarem Kobani cair nas mãos do ISIS, disse a fonte, houve um acordo "para se lidar com o ISIS mais tarde".
    A aparente decisão visa diminuir a influência dos curdos na Síria e enfraquecer a perspectiva da criação de um Curdistão soberano, meta dos curdos não só na Síria, mas também na Turquia, no Irã e no Iraque.
    "Trata-se de uma autêntica emboscada armada pelas costas de todo mundo", disse a fonte bem posicionada ao site WND.
    O governo turco trouxe seus tanques até a fronteira da Turquia com a Síria, bem perto de Kobani, mas não enviou nenhuma das tropas para deterem o cerco do ISIS sobre a cidade curda.
    Enquanto isso, os curdos sírios estão apelando ao mundo pedindo armas e munições, além dos bombardeios aéreos feitos pela coalizão de países árabes liderados pelos Estados Unidos sobre as posições do ISIS. Fontes em terra, porém, dizem que o bombardeio tornou-se virtualmente sem sentido, pois os combatentes do ISIS se misturaram com a população, o que requer mais soldados em solo.
    Os curdos sírios têm lutado contra o ISIS, assim como seus conterrâneos do Iraque, os curdos peshmerga, que têm buscado impoedir que o ISIS domine seu território, que inclui algumas das maiores reservas de petróleo do Iraque e da Síria.
    Os turcos não querem ajudar os curdos, pois o governo turco há anos vem lutando contra o Partido Curdo dos Trabalhadores, ou PKK, que busca conquistar uma parcela dos países fronteiriços para criar o Curdistão.
    Para a Turquia, os curdos sírios e curdos turcos ocupam recursos valiosos de petróleo, os quais os turcos, carentes de energia, procuram obter.
    Além disso, os curdos têm uma aliança com o governo sírio, do presidente Bashar al-Assad, a quem os turcos querem ver deposto em favor de um governo regido por sunitas.
    No entanto, o ISIS é claramente o único grupo sunita predominante em condições de assumir o governo da Síria, pois já tomou à força muito do noroeste da Síria e do oeste e do centro do Iraque para formar o seu califado, no qual busca governar segundo uma estrita lei islâmica, ou a xaria.
    Para a Turquia, o ISIS assumindo o controle de Kobani iria ajudar a dividir os curdos iraquianos dos curdos sírios, diminuindo ainda mais a chance de um Curdistão unido.
    Ao mesmo tempo, daria ao ISIS uma ponte norte entre o Iraque e a Síria, o que não havia até agora.
    Consequentemente, não só os turcos, mas até os EUA também não querem enviar tropas de combate.
    Por causa dos laços dos curdos não só com o presidente sírio Assad, mas também com o Irã, fontes dizem que os EUA não querem deixar a impressão de que estão ajudando Assad e trabalhando com o Irã, ao fornecerem mais assistência aos curdos sírios além dos bombardeios aéreos.
    Existem dúvidas sobre até que ponto os iranianos estão envolvidos num acordo secreto para deixar Kobani cair nas mãos do ISIS.
    Conforme o site WND relatou, tem havido apelos nos últimos dias dentro do Irã para que a Guarda Revolucionária Iraniana ajude aos curdos sírios, provocando manifestações de apoio em várias cidades iranianas.
    Como um sinal de preocupação do Irã, o porta-voz do Ministério do Exterior Iraniano, Marzieh Afkham, alertou para uma catástrofe humanitária em Kobani.
    "O Irã vai enviar em breve ajuda humanitária para os moradores e refugiados nesta área através do governo sírio", disse Afkham.
    O Irã xiita é um dos principais apoiadores do governo de Assad, um alauíta xiita.
    O representante do ministro das Relações Exteriores para Assuntos Árabes e Africanos do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, deixou claro que o Irã não quer tropas turcas dentro da Síria. O Irã agora está em negociações com a Turquia para retornar os cerca de 200.000 curdos que fugiram da Síria para o refúgio na Turquia.
    Ao mesmo tempo, Amir-Abdollahian deixou claro que o Irã "tomará as medidas necessárias para ajudar aos curdos em Kobani de acordo com o seu apoio ao governo sírio em sua luta contra o terrorismo".
    A fonte do site WND disse que o interesse do Irã em querer ajudar os curdos é "apenas uma fachada", já que o Irã, assim como a Turquia, se opôs a um Curdistão independente forjado no oeste do Irã, o qual, como as partes curdas da Turquia, Iraque e Síria, têm ricos depósitos de petróleo.
    Embora Teerã queira mostrar apoio para os curdos por causa de seu apoio a Assad, mas ela pode estar mais preocupada com os repetidos esforços históricos feitos pelos curdos para estabelecerem seu próprio Estado Curdo. Existem fortes laços étnicos, linguísticos e culturais entre os curdos e o Irã. No entanto, Teerã não quer ver os curdos assumirem suas reservas petrolíferas ocidentais.
    Traduzido por Dionei Vieira do artigo do WND


    Julio Severo
    DeOlhOnafigueira

    Sobre

    Exclusivamente voltado para matérias informativas em questões apologéticas, notícias e estudos bíblicos, este site tem o objetivo de servir como ferramenta de evangelização bem como alerta e preparo à igreja cristã sobre os últimos eventos que antecedem a Volta Gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Termos de Uso

    Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Site "O Correio de Deus". Não é permitido a alteração do conteúdo original sem a devida notificação de alteração em cópia extraída deste site e muito menos a utilização para fins comerciais.
    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença