domingo, 28 de setembro de 2014

Preparação para a manifestação do anticristo? A “ONU de religiões” terá futuro?


No início de setembro, o ex-presidente de Israel, Shimon Peres, durante uma reunião com o Papa Francisco no Vaticano sugeriu ao pontífice encabeçar uma “ONU de religiões”. O objetivo da criação da organização é contribuir para acabar com as guerras desencadeadas por fanáticos religiosos.

O pontífice falou com o ex-líder de Israel durante 45 minutos e ouviu atentamente a sua proposta, mas não prometeu se encarregar de realizá-la.
Nos últimos quatro meses Peres já se encontrou com Francisco três vezes. Em junho, no Vaticano aconteceu um evento que já entrou na história: o encontro de oração pela paz na Terra Santa entre o Papa Francisco, o Patriarca de Constantinopla Bartolomeu I e os presidentes de Israel e da Palestina, Shimon Peres e Mahmoud Abbas.

O então presidente de Israel chamou o Papa Francisco de “construtor de pontes de fraternidade pacífica”, enfatizando a necessidade universal de cooperação em nome do estabelecimento da paz, mesmo à custa de autossacrifício e compromissos:
“É necessário buscar e alcançar esse objetivo, mesmo quando ele parece longe, para deixar a paz para nossos filhos, pois é o dever e a santa missão dos pais. Nós devemos pôr fim aos gritos, à violência e conflitos. Todos nós precisamos de paz, paz entre iguais”.
Segundo o ex-presidente de Israel, a “ONU de religiões” poderia ajudar a acabar com as guerras desencadeadas por fanáticos religiosos. Peres acha o Papa Francisco o chefe ideal da nova organização religiosa: “Nós precisamos de uma autoridade moral indiscutível que poderia dizer publicamente: não, Deus não quer e não permite isso [matar em nome de religião]!”.
O diálogo teológico entre o Islã e o Cristianismo está se desenvolvendo desde a Idade Média. Mas só a partir dos anos 50-60 do século passado ele começou a adquirir um conteúdo específico. Primeiro, o Papa João XXIII, em 1959, ordenou retirar das orações as acusações aos judeus de traição e assassinato de Jesus Cristo, e depois, em 1965, o segundo Congresso do Vaticano aprovou a declaração “Sobre a relação da Igreja com religiões não-cristãs”, a “Nostra Aetate”.
A declaração sublinha as características comuns que unem o Islã e o Cristianismo, e o monoteísmo, a crença na vida após a morte, os valores espirituais são definidos como as principais direções no diálogo inter-religioso. O primeiro resultado dessa campanha foi a criação em 1964 do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-Religioso do Vaticano. Desde então, em todo o mundo começaram a realizar-se eventos dedicados ao diálogo inter-religioso.
O Papa João Paulo II fez muito para a normalização das relações islâmico-católicas. Assim, ele pediu desculpas pelos crimes de católicos durante as Cruzadas, visitou uma mesquita em Damasco. O Vaticano estabeleceu um diálogo com o clero muçulmano e procurou evitar polêmicas públicas com figuras islâmicas, o que não se pode dizer de seu antecessor Bento XVI.
Durante o pontificado de Bento XVI houve uma mudança acentuada de curso. Em seu discurso de entronização ele se absteve de mencionar o Islã entre as principais religiões do mundo, e num discurso de 14 de maio de 2009 disse: “Mostra-me o que Maomé trouxe de novo, e lá encontrarás apenas algo mau e desumano, como sua ordem de espalhar a fé que pregava pela espada”. Estas palavras indignaram todo o mundo islâmico, mas o Papa nunca pediu desculpas.
No mundo islâmico também estão abrindo instituições que devem contribuir para o estabelecimento de relações inter-religiosas. Assim, em 2011, em Viena foi fundado o Centro Internacional para o Diálogo Inter-religioso e Intercultural do rei da Arábia Saudita Abdallah bin Abdul Aziz (KAICIID na sigla inglesa), a fim de promover o entendimento mútuo entre representantes de diferentes religiões e culturas, bem como promover ideias de justiça, paz e direitos humanos.
Entretanto, na Arábia Saudita não para a perseguição de outras religiões além da oficial. Há dias, agentes da “Comissão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício” saudita detiveram 28 cristãos por rezarem juntos em casa. O que prova que a teoria e a prática deste assunto são muito diferentes.
Em geral, verifica-se que são justamente os políticos que se ocupam tanto do desenvolvimento do diálogo inter-religioso como da alimentação do fanatismo. O Islã não tem nada a ver com isso. É absolutamente absurdo considerar o terrorismo um fenômeno especificamente muçulmano. Lembremos como na segunda metade do século XIX revolucionários bombistas aterrorizavam a Rússia minando edifícios e explodindo bombas nas ruas e praças.
Na altura acreditava-se que tais horrores só podiam ser perpetrados por ateus ímpios. Um século mais tarde, o mesmo pesadelo se repetiu na Europa Ocidental, onde se desenfrearam os católicos – o Exército Republicano Irlandês e os separatistas bascos.
Tensões inter-religiosas são estimuladas por políticos artificialmente e habilmente, e contra isso não vai ajudar nenhuma “ONU de religiões”. Não é segredo que muitas organizações terroristas foram estabelecidas por agências de inteligência do Ocidente e da própria Arábia Saudita, que supostamente aspira ao diálogo inter-religioso no Vaticano.

Voz Da Rússia
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.