terça-feira, 23 de setembro de 2014

Poderá ebola tornar-se arma biológica?


O Conselho de Segurança da ONU nunca faz declarações referentes à saúde pública. No entanto, a entidade foi simplesmente obrigada a aprovar unanimemente uma resolução sobre a epidemia da febre do ebola na África Ocidental.

A resolução qualifica a epidemia que matou 2.600 pessoas como ameaça à paz e segurança internacional. Além disso, o vírus pode custar caro à economia africana.
Alguns países já começaram uma campanha de luta contra a febre. As personalidades oficiais russas declararam que a Rússia concederá ajuda alimentar aos países atingidos pela doença, em primeiro lugar à Guiné, Serra Leoa e Libéria.

A China, cuja presença na África cresceu consideravelmente, prometeu enviar para a região 59 peritos do Centro de Controle de Doenças. O presidente da França, François Hollande, anunciou os planos de abrir um hospital militar na Guiné. Os Estados Unidos, por sua vez, decidiram conceder ajuda militar, enviando 3 mil soldados. A ONU destaca que para liquidar a epidemia será necessário quase um bilhão de dólares para seis meses e pretende constituir uma fundação especial para colher doações governamentais.
Mas será possível vencer o ebola? Não poderá o vírus tornar-se uma arma biológica? Reponde Philippe Hugon, politólogo e perito em assuntos africanos do Instituto de Relações Internacionais e Estratégicas:
– O vírus ebola é uma verdadeira tragédia humana. Até hoje, a doença causou 2.600 vítimas, enquanto a envergadura da epidemia continua a aumentar, ameaçando não apenas três países referidos, ou seja a Guiné, Libéria e Serra Leoa, mas também toda a África Ocidental. Não se deve excluir que a doença se espalhe para o resto do mundo. Este é o primeiro perigo.
O segundo problema é menos evidente, dizendo respeito aos três países acima mencionados e, em menor grau, a outros Estados da África Ocidental. Sua economia está de fato paralisada, pessoas não têm possibilidade de irem embora e existem enormes problemas de abastecimento. Trata-se em primeiro lugar de sociedades de mineiros que ficam firmemente apegados ao seu terreno. Além disso, a atividade produtiva está diminuindo, devendo esperar nos três países referidos, no mínimo, uma séria queda do PIB e recessão econômica. Esta é uma tragédia.
É nomeadamente por esta causa que os Estados Unidos decidiram enviar para a região 3 mil soldados. A comunidade internacional reagiu, embora com demora, a esta situação e hoje cria-se uma sensação de que este drama não se limite à África e possa atingir também outros países.
– Será possível deter a epidemia?
– O principal problema desta epidemia consiste, em primeiro lugar, na necessidade de evitar o contágio, porque atualmente não existe ainda uma vacina contra a doença. Hoje em dia, a tarefa prioritária é instruir as pessoas. É necessário lutar contra a propagação da epidemia, porque, caso contrário, ela só irá se alargar.
A seguir surge o problema do tratamento. Conhecemos o vírus ebola a partir de 1976, mas as nossas realizações nesse sentido são bastante modestas, porque essa doença não aparece em todos os Estados e atinge, principalmente, os países mais pobres. Não surge na Europa e na América do Norte. Deste modo, devemos efetuar um grande trabalho científico e enviar para a região especialistas que possam instruir a população.
Não é segredo que os sistemas de saúde pública dos países que passaram por conflitos graves (Libéria e Serra Leoa) e atravessam uma crise econômica profunda (Guiné) não são capazes combater em separado a epidemia.
– Podemos dizer que ebola se torna um novo AIDS?
– Não. A atual propagação da epidemia explica-se pelo fato de a sociedade não ter reagido atempadamente à doença. Atualmente não existem medicamentos e meios de vacinação preliminar, mas, felizmente, ainda não nos encontramos na situação de HIV/AIDS que não somos capazes de curar.
Se não conseguirmos nada, enfrentaremos a mesma tragédia como a de HIV/AIDS, mas, como penso, a comunidade internacional entende que é necessário evitar isso a qualquer preço.
Hoje temos 2.600 casos mortais. Este é um número muito sério que só irá crescer, mas por enquanto nem pode ser comparado com os casos de HIV/AIDS na África, onde a doença é revelada em centenas de milhões de pessoas.
– Pode ser utilizada ebola como arma biológica?
– Evidentemente. As guerras podem ser nucleares, químicas e também biológicas. Sem dúvida, o vírus ebola pode tornar-se uma arma, se cair nas mãos de grupos terroristas. Além disso, poderão ficar infetados aqueles que estudam o vírus.

Voz Da Rússia
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.