quinta-feira, 25 de setembro de 2014

O circo gospel: Culto na Assembleia de Deus do Brás vira comício e tem até “pesquisa eleitoral” (Veja Vídeo)


O portal Terra denunciou que no último domingo, antes do culto na Assembleia de Deus do Brás – Ministério Madureira (ADBrás), em São Paulo, membros da igreja faziam abertamente campanha.

Dentro do templo, uma funcionária apresentava um formulário e realizava uma espécie de “pesquisa eleitoral”, com a justificativa de “saber como está o desempenho do pastor aqui da casa”. No caso, o candidato é o pastor Cezar Freire (Cezinha), que está concorrendo a deputado estadual pelo DEM.

As cerca de 5 mil pessoas que foram ao culto receberam uma espécie de cartão-postal assinado pelo pastor Samuel Ferreira, presidente da ADBrás, e sua esposa, pastora Keila Ferreira. A mensagem era clara: “O Cezar hoje é projeto de Deus e de nossa comunidade e precisamos dele na Assembleia Legislativa de São Paulo”. Trazia ainda o nome e o número do candidato. O material pedia ainda votos para o deputado federal Jorge Tadeu (DEM), que deseja a reeleição.

“Apresento-lhe também nosso irmão Jorge Tadeu, para deputado federal. Com ele em Brasília teremos a certeza da defesa e luta pelos nossos ideais”. A mensagem enfatizava: “Peço a você que nos ajude agora com seu voto e sua influência junto aos seus familiares, amigos e conhecidos para conseguirmos mais votos”.


Segundo o portal Terra, a pesquisa informal de intenção de voto não teria problema do ponto de vista legal. Mas a prática de distribuição de material dentro do templo configura crime eleitoral, pois a legislação proíbe “propaganda de qualquer natureza” em locais “de uso comum” (por exemplo: estádios de futebol, bares, restaurantes, cinemas e igrejas). A multa prevista é entre R$ 2 mil e R$ 8 mil.

“O pastor não pode colocar a igreja a serviço da campanha eleitoral de ninguém. Quem está sujeito à multa, neste caso, é o pastor. Se ficar comprovado que os candidatos tinham conhecimento, todos devem pagar”, afirmou o advogado Arthur Rollo à reportagem.

Contudo, durante o culto o pastor Samuel Ferreira apresentou aos fiéis “um cara muito simpático, de uma família tradicional, filho de um desembargador do Tribunal de Justiça, que ajuda a igreja em momentos de dificuldade”. Apresentou então Guilherme Sartori e pede que os presentes agradeçam a Deus e orem pela família, além de gritarem em uníssono: “Guilherme Sartori”.

Contudo, não revelaram abertamente que Guilherme Sartori é candidato a deputado federal pelo PTB. Em dado momento, Guilherme recebe o microfone e afirma estar à disposição da igreja e dos fiéis.

Procurado pelo Terra, defende-se: “Ele (pastor) é meu amigo, fui apresentado como amigo. Sou uma pessoa boa, que quer ajudar as pessoas, ajudar o País. Não tem constrangimento nenhum… Não pedi voto, não fiz panfletagem. Isso é antiético, não se pode fazer isso (na igreja). Como eu sou jovem, tenho que ir (ao culto) para fazer o meu nome ser conhecido. A gente é muito ético. Fica difícil concorrer com esses candidatos que têm muito dinheiro”, justifica.

Arthur Rollo explica que essa prática “não é vedada, mas antiética”. “É claro que fazem isso com o objetivo de conseguir votos. Então não configura ilícito do ponto de vista eleitoral, mas, do ponto de vista ético, é absolutamente condenável. E do ponto de vista religioso também”.

Segundo o Terra, a Assembleia de Deus e pastor Cezinha foram procurados mas não se manifestaram. A assessoria de Jorge Tadeu informa que o deputado “desconhece qualquer prática de propaganda eleitoral irregular em sua campanha”, e que “tomará as providências cabíveis” caso encontre irregularidades.

O templo aonde a igreja se encontra, é lugar para falar de política ou para falar da palavra de DEUS?


Fique Atento
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.