quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Nova ordem mundial: Aborto é ''problema de saúde pública, alerta Anistia Internacional''


Aborto é problema de saúde pública, alerta Anistia Internacional

A Anistia Internacional defendeu nesta quarta-feira (24) que o aborto seja tratado como uma questão de saúde pública e de direitos humanos, e não criminal. O pedido pelo debate urgente no país veio depois da confirmação das mortes de Jandira Magdalena dos Santos Cruz, de 27 anos, e Elisângela Barbosa, de 32, após interromperem gravidez, de forma clandestina, no Rio de Janeiro.
No Brasil, estimativas apontam que em torno de 1 milhão de mulheres fazem abortos clandestinos todos os anos, e 200 mil morram em consequência da operação. De acordo com o cientista político e assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional Brasil, Maurício Santoro, a criminalização da prática também é um problema muito grave de discriminação socioeconômica.

“A gente sabe que nos casos em que as mulheres são presas porque abortaram, são os feitos em casa. Ela procura o hospital depois, e acaba respondendo a processo. Então, aquelas que têm condições de procurar uma clínica clandestina, de melhor qualidade, não são criminalizadas, porque não sofrem as consequências de um aborto mal feito. Essa é uma das perversidades do aborto ilegal”, segundo Santoro.

Ele cita levantamento feito no estado do Rio de Janeiro, de 2007 a 2011, no qual foram encontradas 334 mulheres que sofreram processos criminais por terem abortado. Muitas delas moradoras no interior, na Baixada Fluminense e no subúrbio carioca.

Para a Anistia Internacional, o Brasil deve cumprir os compromissos já assumidos. Como lembra Santoro, é essencial que haja debate para implementar na legislação acordos que já foram assumidos pelo Brasil no plano internacional. Caso, por exemplo, do Acordo do Cairo, há 20 anos, segundo o qual as mulheres que abortaram devem ser tratadas com humanidade, não como criminosas; e no ano passado, a Conferência de Montevidéu, que reuniu países latino-americanos para debater direitos sexuais e reprodutivos, também destacou que a abordagem da criminalização é negativa, porque "traz consequências para a saúde pública extremamente ruins”.

A professora da Universidade de Brasília e pesquisadora do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero, Débora Diniz, que conduziu a Pesquisa Nacional do Aborto, em 2010, lembra que o levantamento apontou que uma em cada cinco mulheres, até 40 anos de idade, fez pelo menos um aborto. Portanto, "a prática já ocorre, e somente a legalização pode salvar vidas", ressaltou.

“Nós estamos falando de 7,4 milhões de mulheres de 18 a 39 anos. É fato comum à vida reprodutiva das mulheres. Esse é o quadro do aborto no Brasil, que, por ser ilegal, leva as mulheres à clandestinidade, onde um procedimento médico sem risco, em termos técnicos, passa a ser de altíssimo risco, porque muitas se submetem a procedimentos com profissionais não regulamentados, não monitorados, não conhecidos", explicou.

A coordenadora da organização não governamental Católicas pelo Direito de Decidir, Rosângela Talib, enfatiza que a proibição, tanto da lei quando da igreja, não coíbe a prática do aborto. “A gente sempre pensou o aborto como questão de saúde pública, porque a interdição legal - o Código Penal diz que é crime - ou a interdição religiosa católica - diz que é pecado mortal - não têm evitado que as mulheres abortem e, infelizmente, não conseguem evitar a morte de muitas delas, como a gente viu agora dessas duas mulheres no Rio de Janeiro. É a ilegalidade do aborto que provoca essas mortes. Por isso, a gente trabalha pela descriminalização e pela legalização do aborto”, enfatizou.

Rosângela lembra que o aborto é a quinta maior causa de morte materna no Brasil, e ressalta que o ideal seria que ninguém precisasse interromper uma gravidez, mas às vezes o fato é inevitável. Segundo ela, "sempre vai ter uma gravidez indesejada, porque a gente sabe que nenhum método é 100% seguro. Então, frente a uma gravidez indesejada, a gente acredita que é uma questão de saúde pública, e as mulheres, quando assim o desejarem, devem ter a possibilidade de fazer a interrupção da gravidez no serviço público de saúde, sem risco para sua saúde”.

O assessor da Anistia Internacional lembra que em países que legalizaram a prática, como o Uruguaio fez em 2012, o número de abortos diminuiu e a morte por essa causa zeraram. “Impressionante como as mulheres pararam de morrer no Uruguai, por causa do aborto", argumentou, "porque [o procedimento] passou a ser feito de maneira segura, controlada".

COMO O CORREIO DE DEUS VÊ: O que acontece? O que acontece, é que o governo forja estas estimativas ridículas, e tenta impor esse regime e essa ideia caída de que o aborto seja viável e uma ''solução'' na saúde publica brasileira. A elite quer acabar com uma porcentagem da população, mas como ela fará com que isso aconteça? Como tem várias outras formas da elite fazer isso, podemos explorar também a alternativa do aborto. Vejamos, se o aborto for liberado e se tornar mundialmente uma ideia bem vista mediante a ''massa de manobra,'' com certeza eles interromperão milhares de nascimentos e nisso a taxa de natalidade cairá mundialmente e isso faz com que eles alcancem o seu objetivo que é exterminar uma porcentagem da população mundial.
Vemos claramente neste artigo publicado pelo site Agência Brasil, que a elite está empenhada e trabalhando para que o ser humano não procrie e isso se dará através de leis anticristãs e contra a vida natural do homem. Desconsiderem tudo o que leram no texto acima do nosso, porque não passa de manipulação e nós como somos comprometidos com a verdade, expomos para que os irmãos estejam atentos a que ponto o governo está chegando e em que grau se encontra os ''sinais do fim''.


DIGA NÃO AO ABORTO!

Cezar S D S Scholze
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.