quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Da Nigéria ao Quênia: cristãos sofrem por toda África


A perseguição aos cristãos e outras questões humanitárias persistem no continente africano. Recentemente, quatro pessoas que viajavam do Quênia para uma ilha popular na costa da Somália foram sequestradas por membros da Al-Shabaab.

Cameron Thomas, da agência missionária International Christian Concern, fornece alguns detalhes sobre as ações dos insurgentes. 

“A Al-Shabaab é uma insurgência islâmica radical que detém o controle de largas faixas ao sul da Somália”, descreve ele. “[Esses quatro indivíduos] foram sequestrados por um grupo de militantes e mantidos na floresta por alguns dias.

Três dos quatro sequestrados eram muçulmanos; o quarto era cristão. Os três muçulmanos foram libertados e o quarto foi sumariamente executado”, disse Thomas. “Esse é outro exemplo da luta constante entre o islã radical e o cristianismo e outras minorias religiosas na África”.


Em alguns casos, Thomas diz que os grupos estão convertendo as pessoas à força e/ou escravizando aqueles que não concordam com sua ideologia. 

“Outro grande exemplo é a crise atual no Sudão do Sul, algo que não é somente uma questão de perseguição religiosa, mas que precisa ser divulgado por não ser muito noticiado na mídia no momento”, compartilha. 

“Milhões têm sido desalojados de seus lares [no Sudão do Sul]. Eles estão enfrentando uma seca extrema e uma fome que é iminente. A ajuda humanitária é incapaz de chegar às áreas atingidas devido ao conflito”. 

Portas Abertas no Sudão do Sul
A Portas Abertas acredita que vale a pena servir à Igreja no Sudão do Sul. Participe dos projetos de ajuda para os cristãos sul-sudaneses! Ao apoiar a formação de profissionais dotados de valores cristãos, você fortalece a Igreja e, como consequência, o país.

Fonte: Portas Abertas
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.