segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Confúcio Moura é o terceiro candidato ao governo que mais pediu remoção de conteúdo no Google. Seria o governo dele de extrema censura? Fiquem de olho!


O levantamento foi deito a partir do site Eleição Transparente e publicado 

Nessas eleições, o candidato a governador de Alagoas Benedito de Lira (PP) é o político que, até agora, mais foi à Justiça Eleitoral pedindo a remoção de conteúdo do Google. Sua campanha já acionou a empresa nove vezes. Ele é seguido de perto pelo candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e por Confúcio Moura (foto), que concorre ao cargo em Rondônia pelo PMDB. Cada um já processou a empresa oito vezes na tentativa de remover conteúdo e impedir a publicação de notícias em jornais e sites. 
O levantamento pode ser feito a partir do site Eleição Transparente (clique aqui para ver), feito pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) em parceria com empresas jornalísticas e de pesquisa — Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, UOL, Zero Hora, Gazeta do Povo, Google, Ibope e Datafolha. A plataforma foi lançado na manhã desta quarta-feira (28/9) em evento na sede do Google, em São Paulo. A empresa fez um aporte financeiro de cerca de R$ 120 mil para a criação do site.
A ideia é que as pessoas possam acompanhar em tempo real o “ranking do obscurantismo”, como classifica o presidente da Abraji, José Roberto Toledo. Com a ferramenta será possível colocar à prova o sentimento de que a cobertura das eleições tem sido cada vez mais judicializada. "Queremos expor as tentativas de impedir o direito do eleitor de ter acesso à informação", diz o jornalista.
Até agora, foram cadastrados 71 processos no site, que permite o acesso a informações sobre cada uma das ações. A base de dados é alimentada diretamente pelos representantes legais das empresas parceiras, que se cadastram no site e preenchem um formulário com detalhes sobre a notificação judicial. A partir da plataforma é possível acompanhar o processo no site do Tribunal Superior Eleitoral.

A advogada do Google, Fabiana Siviero, conta que a empresa se mobilizou para participar do projeto como parte de seu compromisso institucional pela liberdade da informação. Ela aponta que com a resolução do Tribunal Superior Eleitoral que impede recursos de liminares, a divulgação dos candidatos que agem como censores pode ser um caminho para mudar a conduta deles, pois o julgamento do mérito dos casos pode acabar ficando só para depois das eleições.

Por Marcos de Vasconcellos
Fonte: Rondônia Dinâmica
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.