sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O que fazer se a terceira guerra mundial começar?

guerra, psicologia

Parece que, nos últimos tempos, o mundo enlouqueceu. As informações dos locais de combate não param durante todo o dia. A mídia insiste implacavelmente em informações sobre a quantidade de mortos e as filas de refugiados que diariamente aumentam devido a bombardeamentos.

O psicólogo Takhir Bazarov, professor da Universidade Estatal de Moscou Lomonossov, dá conselhos, em uma entrevista concedida à Voz da Rússia, como não entrar em pânico e deixar de pensar na possibilidade do início da terceira guerra mundial. 
– Como não ceder à histeria em massa e por que é que semelhantes ideias surgem na véspera do centenário da primeira guerra mundial? 
– Depois de cem anos do início da primeira guerra mundial, o pressentimento da ameaça crescente de uma terceira guerra torna-se particularmente evidente. Há cem anos atrás, a humanidade (a civilização europeia, antes de tudo) confrontou-se pela primeira vez com o fenómeno da “guerra mundial”. O que significa isso?Principalmente, a mudança radical da forma de vida de milhões de pessoas. Embora, para os habitantes da Europa, o tempo que antecedeu a guerra não tivesse sido particularmente feliz ou relaxante, era um tempo de esperanças e expectativas de um futuro previsível. E, de súbito, milhões de vítimas humanas, a mudança radical da organização do mundo. E, o principal, a impossibilidade de influir nos acontecimentos. As preferências individuais, a existência de opinião própria tornaram-se insignificantes perante o rosto da ideia nacional de grupo. 
Depois, veio a segunda guerra mundial, que, ainda em maior grau, reduziu o preço da vida humana. Foi precisamente esta guerra que mostrou de que forma a violência de um homem contra outro pode ser fácil, até que ponto é difícil resistir a essa violência. Essa é a primeira causa do medo das pessoas. Estas conservaram a memória histórica de guerras anteriores. 
A base do medo é, antes de tudo, o receio pela própria vida e pelo destino dos seus parentes. Mas, além disso, o medo de se tornar cruel para enfrentar a crueldade. No que respeita às formas de não se deixar cair na histeria de massas, há apenas duas. Primeira, trata-se da orientação para a compreensão racional da situação. Segunda, a atividade no que depende de nós. 
Do ponto de vista da primeira, é completamente claro que não pode haver qualquer terceira guerra mundial. Qualquer confronto militar global será, hoje, uma catástrofe universal. Trata-se de uma guerra onde não haverá vencedores, nem vencidos. Pode-se imaginar quem ousará lançar-se em semelhante loucura? Do ponto de vista da segunda, quando aumenta a tensão, é importante garantir para si e os seus próximos as condições maximamente seguras de vida. 
– Segundo o senhor, como se deve comportar uma pessoa preocupada com o seu futuro e o futuro dos seus próximos? Deve preparar-se para um possível conflito militar ou colocar de lado a ideia da possibilidade de uma guerra e continuar vivendo como sempre? 
– Antes de tudo, a pessoa deve manter-se realista e com atenção. Toda a sua preparação para possíveis excessos é a garantia de um lugar de residência seguro e a criação de um mundo circundante viável. Se disparam sobre você mísseis e minas, é preciso ter um refúgio que o defenda. Se existe a possibilidade de abandonar esse lugar, é preciso fazer isso. Fazem parte da zona de segurança também os vizinhos com quem é preciso estabelecer boa comunicação e boas relações, que pressupõem confiança e ajuda mútua. 
– Quando a mídia mostra diariamente dezenas de imagens dos locais de ações armadas na Ucrânia e na fronteira de Israel com a Palestina, o que podemos fazer para evitar o sentimento opressor de ameaça eminente? 
Antes de tudo, é minimizar o caráter traumatizante da influência dos mídia, prestar-lhes menos atenção, ver programas com temas positivos. É preciso deixar de ser um recetor passivo de tudo o que a mídia propõe. Uma análise própria, mesmo que curta e não muito profunda, do que se lê ou se ouve na TV, pode ter um efeito positivo. A algumas pessoas ajudam o trabalho ou a ocupação preferida, a que se podem dedicar com paixão. Além disso, resta sempre uma receita absolutamente garantida para ultrapassar o medo ou a depressão: prestar ajuda aos que dela necessitam. 

Opinião: Voz Da Rússia
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.