O médico trabalhava no hospital John F. Kennedy de Monróvia, um dos grandes centros de tratamento e isolamento para doentes de ebola no país

Um médico liberiano contaminado com ebola e que foi tratado com um soro experimental morreu, segundo anunciou nesta segunda-feira (25) o ministro de Informação da Libéria, Lewis Brown.
"[Ele] mostrava sinais de melhora, mas finalmente faleceu. O governo lamenta esta perda e apresenta suas condolências à família", explicou Brown, dizendo que o médico, Abraham Borbor, morreu na madrugada desta segunda-feira (25).

O médico trabalhava no hospital John F. Kennedy de Monróvia, um dos grandes centros de tratamento e isolamento para doentes de ebola no país. Outros dois funcionários tratados com este soro, o ZMapp, "seguem em tratamento e há sinais de esperança", indicou o ministro.


Os Estados Unidos entregaram à Libéria no dia 13 de agosto doses de ZMapp para os três profissionais de saúde. O tratamento, que não havia sido testado em humanos, também foi administrado em dois americanos, declarados curados na semana passada, e em um padre espanhol, que morreu no dia 12 de agosto. Os três haviam sido infectados na Libéria.

A epidemia já causou a morte de pelo menos 1.427 pessoas na África Ocidental. O ebola, transmitido através do contato direto com o sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infectados, causa hemorragias graves e pode ter uma taxa de mortalidade de até 90%.

Novos tratamentos

Os remédios experimentais contra o ebola foram autorizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já que não há tratamento homologado ou vacina para a doença.

Diante da amplitude da epidemia, no último dia 12, a OMS considerou ético oferecer medicamentos cuja eficácia ou efeitos colaterais ainda não foram comprovados.

O laboratório que fabrica o ZMapp informou que as escassas doses disponíveis do medicamento haviam se esgotado.

Por sua vez, o Japão declarou nesta segunda-feira (25) estar disposto a fornecer um tratamento experimental de uma empresa japonesa que o país homologou em março como um antiviral contra a gripe, com o objetivo de lutar contra o Ebola "se OMS pedir".

O TEMPO

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.