terça-feira, 19 de agosto de 2014

Fatah pode voltar a guerrear contra Israel (veja vídeo)


O partido Fatah, ao qual pertence o presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas, tem procurado manter uma fama de “moderada”. Desde o início do conflito de Israel com milícia do Hamas na Faixa de Gaza, não lançou nenhum ataque desde a Cisjordânia, fazendo apenas críticas à situação.

É bom lembrar que quando se fala em “palestinos” existem dois territórios com situação bem diferente. O Hamas é o maior dos grupos islâmicos extremistas. Seu nome é uma sigla em árabe do Movimento de Resistência Islâmica. Surgiu em 1987, depois da primeira Intifada (revolta palestina) contra a ocupação israelense da Cisjordânia e da Faixa de Gaza. Controlam praticamente sozinhos a Faixa desde 2006, quando venceram as eleições do Conselho Legislativo Palestino.
O Fatah muitas vezes é seu rival político, exercendo controle da Cisjordânia e concordando com uma criação de dois Estados – Israel e Palestina. Desde a morte do seu fundador, Yasser Arafat, em 2004, a Autoridade Palestina é controlada por Mahmoud Abbas.
Por sua vez, o Hamas não reconhece Israel e defende um único Estado palestino, cuja área ocuparia onde hoje estão Israel, a Faixa de Gaza e a Cisjordânia.
As duas facções romperam relação em 2007, mas em abril deste ano, o Hamas fez um acordo de reconciliação com o Fatah, resultando em um governo de unidade nacional.
Porém, não se pode ignorar que o grupo de Abbas também tem um braço armado e publicou no início do mês um vídeo no YouTube mostrando seu enorme arsenal. Usando o nome de os Mártires das Brigadas de Al-Aqsa, a “ala militar” do Fatah, declarou sua decisão de reforçar as atividades militares caso o conflito com Gaza seja retomado.
No vídeo é mostrada uma “sala de operações conjuntas” em Gaza, onde os terroristas do Fatah exibem orgulhosamente lançadores de foguetes, e foguetes antitanque, rifles de assalto e dispositivos de comunicação portáteis.



Um dos soldados diz que “o rifle” foi e continua sendo a única opção para “libertar as terras ocupadas”, e que o Fatah nunca abandonou o caminho do terrorismo violento. Com isso, fica provado mais uma vez que o Hamas não está sozinho em suas ameaças. Além dele, já foi detectada a participação da organização terrorista Estado Islâmico na região. Caso o conflito seja retomado esta semana, como anunciou o Hamas, na Judéia e Samaria, as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa farão “guerra aberta” contra o Estado judeu. 
Até agora Abbas e seu exército tem se mantido quase neutro em relação aos tratados de paz. Porém o atual cessar-fogo estabelecido em 11 de agosto foi estendido quinta-feira por cinco dias e expira nesta segunda-feira à meia-noite (18h00 no horário de Brasília). Mas a posição da Fatah continua sendo a mesma da Carta da Organização de Libertação da Palestina (OLP), de 1968, que anunciava “luta armada” e “revolução armada”, declarando “a luta armada é a única maneira de libertar a Palestina”, e exortando os árabes locais para “estarem preparados para a luta armada”. É bem verdade que durante os Acordos de Oslo, em 1993 o Fatah deixou de ser considerado uma organização terrorista passando a ser apenas um partido político. Foi justamente isso que motivou o surgimento dos Mártires de Al-Aqsa. Com informações BBC, Israel National News e Alalam

Fique Atento
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.