Já foram registradas 729 mortes em quatro países, o que faz do surto o pior desde a descoberta da doença

O surto de Ebola na África Ocidental está fora de controle, mas pode ser contido com mais recursos e medidas mais duras, disse nesta sexta-feira a chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan.
Já foram registradas 729 mortes em quatro países, o que faz do surto o pior desde a descoberta da doença em meados dos anos 1970.
"Esse surto está se movendo mais rapidamente do que os nossos esforços para controlá-lo", disse Margaret aos presidentes de Guiné, Libéria e Serra Leoa em reunião nesta sexta-feira em Conacri.

"Se a situação continuar a piorar, as consequências podem ser catastróficas em termos de perda de vidas, mas também severas perturbações socioeconômicas e alto risco de disseminação para outros países", declarou ela, de acordo com uma transcrição da OMS.
Ela ressalvou que o surto pode ser contido e que o público em geral não corre alto risco de infecção. De acordo com Margaret, os governos poderão ter de impor restrições no movimento de pessoas e em reuniões públicas, e usar a polícia e forças de defesa para garantir a segurança das equipes que lidam com a doença.
Os sistemas de saúde enfrentam dificuldades para tratar dos doentes e mais de 60 funcionários da área médica morreram por causa da doença, o que complicou os esforços de combate ao vírus.
Dois norte-americanos que trabalhavam para uma entidade beneficente e contraíram a doença na Libéria estão em estado grave.
A Libéria pôs em prática medidas como o fechamento de todas as escolas e alguns departamentos do governo e poderá, eventualmente, colocar de quarentena as comunidades afetadas.
Serra Leoa declarou estado de emergência e mobilizou o Exército para isolar as vítimas do Ebola.
No entanto, o líder da força-tarefa contra o Ebola na Guiné disse que seu país não vai adotar medidas como essas.
"Algumas medidas adotadas pelos nossos vizinhos poderiam tornar a luta contra Ebola ainda mais difícil", disse Aboubacar Sidiki Diakité, à Reuters, citando em particular o fechamento de escolas. "Quando as crianças não estão sob supervisão, elas podem ir a qualquer lugar, e o problema fica pior."
O surto levou várias organizações internacionais de ajuda a retirarem seu pessoal dos países. A US Peace Corps informou que estava retirando 340 voluntários da Libéria, Serra Leoa e Guiné, e a Samaritans Purse disse que iria completar a remoção da Libéria de seus 60 membros estrangeiros no fim de semana.
A OMS vai lançar um plano de resposta de 100 milhões de dólares e os Estados Unidos estão fornecendo apoio material e técnico para os três países. Haverá uma reunião em Washington na próxima semana para discutir mais assistência.

Alternativa Online

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.