Em comunicado, a agência de saúde da ONU reiterou ser pequeno qualquer risco de infecção pelo ebola a bordo de uma aeronave, e afirmou não haver necessidade de restrições mais amplas a viagens e comércio

Autoridades dos países afetados pelo surto de ebola devem examinar as pessoas que partem pelos aeroportos internacionais, portos marítimos e principais passagens de fronteira por terra para impedir qualquer indivíduo com sinais de infecção pelo vírus de viajar, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (18).


Em comunicado, a agência de saúde da ONU reiterou ser pequeno qualquer risco de infecção pelo ebola a bordo de uma aeronave, e afirmou não haver necessidade de restrições mais amplas a viagens e comércio.

Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa são os países afetados pelo atual surto de ebola, que já resultou em mais de mil mortes.

"Qualquer pessoa com sintomas consistentes com o ebola não deve ter permissão de viajar a menos que a viagem seja parte de uma retirada médica apropriada", diz o texto.

Nigéria

A Nigéria tem 12 casos confirmados do vírus ebola - eram dez na semana passada.

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira que cinco pessoas já estão quase totalmente recuperadas.

O comunicado diz ainda que 189 pessoas em Lagos e seis outras na cidade de Enugu ainda estão sob vigilância.

Libéria

Os 17 doentes de ebola que no fim de semana escaparam de um centro de isolamento invadido e saqueado por homens armados com cassetetes e facas em Monróvia, a capital da Libéria, ainda eram procurados nesta segunda-feira.

"Até esta manhã seguíamos buscando estes 17 doentes que fugiram do campo, mas ainda não os encontramos", declarou à AFP o ministro de Informação, Lewis Brown.

"O pior é que os que saquearam o centro pegaram colchões e toalhas manchadas de fluidos dos corpos dos doentes. Nos arriscamos a ficar em uma situação difícil de controlar", declarou.

Brown, porta-voz oficial designado pela presidente Ellen Johnson Sirleaf para todas as questões relacionadas ao ebola, sugeriu a possibilidade de colocar em quarentena o bairro de West Point, de 75 mil habitantes, onde o centro havia sido instalado recentemente em uma escola.

"Provavelmente todos esses bandidos que saquearam o centro portam agora o vírus do ebola. Uma solução poderia ser colocar o bairro em quarentena", disse.

Segundo várias testemunhas, os criminosos gritavam palavras hostis à presidente Sirleaf e diziam que não há ebola no país.

O tempo

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.