sexta-feira, 4 de julho de 2014

ESTUDO SECRETO COMPROVA QUE MONSANTO VENDE VENENO

Claire Robinson escreveu um artigo impressionante, expondo a prova de que o herbicida Randap produzido pela Monsanto é um veneno: "Os estudos de toxicidade do glifosato você não está autorizado a ver", gmwatch.org, 2 de julho de 2014.
O glifosato é o principal ingrediente do Randap, produto da Monsanto, que é usado em grandes proporções sobre culturas geneticamente modificadas.
Robinson de maneira clara não afirma que este estudo não prova nada em relação ao randap, mas sua obra certamente leva a essa conclusão.

Aqui estão os fatos: Na China, este ano, o Ministério da Agricultura admitiu que legalizar a importação de Randap foi baseada em um único teste toxicológico feito em St. Louis.
Monsanto afirmou então, como relata Robinson, "que o estudo constitui o seu próprio segredo comercial, acrescentando que a empresa nunca tinha divulgado o estudo em qualquer lugar do mundo e não concordou em divulgar isso agora."

Porque não? Porque o estudo provou que o Randap não era seguro? Você está de brincadeira?
Na Europa, dois estudos sobre a toxidade do Randap, também estão escondidos no armário.
A Autoridade de Segurança Alimentar Européia e os órgãos reguladores alemães, Robinson afirma:"se recusaram pedidos para liberar os estudos, com o argumento de que são informações comerciais confidenciais."
Em outras palavras, os estudos são de propriedade de uma empresa.
Sem problemas, nada está sendo escondido em relação a esses estudos, e quem sofre com isso tudo é a população da Europa.
Em 2011, um grupo chamado ''Earth Open Source'' divulgou um relatório: ''Randap e defeitos de nascimento'': E o publico que está sendo mantido no escuro?
Robinson escreve: "O relatório concluiu estudos próprios da indústria realizados em 1980 e 1990 e mostrou que o glifosato causa defeitos de nascimento em animais experimentais. Enquanto a indústria estuda a si mesma são mantidos pelo governo alemão e permanecem em segredo. O mesmo glifosato que causa  doenças em animais está sendo inserido nos alimentos dos cidadãos americanos e no resto do mundo. Os autores do grupo ‘’ Earth Open Source’’ examinaram um resumo do relatório da Alemanha sobre este assunto que é de domínio publico. Este relatório foi apresentado à Comissão Européia e levou à aprovação européia do glifosato em 2002. "

O quê? O quê?

O resumo do relatório da Alemanha inventou várias ‘’redefinições’’ de defeitos de nascimento em animais que minimizou sua importância e o Randap foi aprovado para a venda.
E, novamente os estudos atuais estão sendo mantido em segredo. Vamos ver, os estudos de toxidade do Randap estão sendo escondidos pela Monsanto e pelos órgãos do governo. Os estudos são chamados de ‘’propriedade corporativa’’. Essa é a justificação.
"Nós possuímos esta ciência e não vamos liberá-lo. Mas não se preocupe isso não é importante, você está seguro, o Roundup é seguro, é tudo de bom.”
Aqui está o ponto chave, se a ciência corporativa é usada para justificar a segurança dos produtos da empresa, então, que a ciência deva ser tornada pública em cada detalhe, para que ele possa ser examinado por pessoas que não devem suas almas para as corporações.
Concluindo, nós vivemos em uma sociedade sem lei. O governo protege as empresas e em si.
O Departamento de Justiça dos EUA não iria prender e processar os executivos da Monsanto que  escondem dados de toxicidade há mais de 1 milhão de anos. Mas envenenar os americanos?  Sem problemas.
Se você não quer morrer intoxicado, compre e coma apenas produtos naturais que você saiba da procedência, além de cuidar de sua saúde, você deixará de financiar essas empresas que propagam a morte no mundo inteiro incentivando o uso de veneno (agrotóxicos) em suas plantações.


Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; (1 Pedro 5:8)

Fonte: Activistpost

Traduzido por Leonardo Gonçalves 
Colaborador do site: O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.