segunda-feira, 28 de julho de 2014

É ISSO MESMO? Brasil vai financiar construção de hospital para palestinos na Faixa Gaza


TEL AVIV - O Brasil vai financiar, juntamente com outros dois países, a construção de um novo hospital na Faixa de Gaza, região controlada há três anos pelo grupo islâmico Hamas. O Fórum de Diálogo Ibas (Índia, Brasil e África do Sul) decidiu investir na obra para ajudar na reconstrução de Gaza, que teve partes devastadas pela ofensiva israelense à região, entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009.

O custo do projeto está incluído nos US$ 5 milhões doados pelo Ibas aos palestinos ainda em 2007, durante a Conferência de Doadores para os Territórios Palestinos, realizada em Paris. Nesse mesmo encontro, o Brasil anunciou a doação unilateral de mais US$ 10 milhões. Há dez dias, o Brasil oficializou o repasse de mais R$ 25 milhões (US$ 14 milhões) para projetos específicos em Gaza. Parte dessa verba também poderá ser usada na construção do hospital.


O principal obstáculo para a obra é o atual bloqueio econômico israelense e egípcio a Gaza. Apesar de o Egito ter decidido abrir por tempo indeterminado a fronteira com a região, e Israel ter aceitado relaxar a proibição da entrada de produtos depois do episódio da chamada "Flotilha da Liberdade", ainda há ítens proibidos. Entre eles materiais de construção. Israel alega que o Hamas pode usá-los para manufaturar armamento ou construir abrigos antiaéreos.

Na visita que fez a Israel esta semana, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, pediu diretamente ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que abra uma exceção no caso do projeto do hospital.

- O primeiro-ministro ouviu meu pedido com muita atenção e prometeu estudá-lo _ contou Amorim logo após o encontro com Netanyahu.

O chanceler ressaltou, também, que toda a verba será repassada a Gaza através das Nações Unidas, sem participação direta do Hamas, entidade com a qual o Brasil não mantém diálogo e que é considerada "terrorista" por Israel, pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

- Está tudo sendo feito em coordenação com a Autoridade Nacional Palestina e com a ONU. Nada passa pelo Hamas _ confirmou ao GLOBO a embaixadora Lígia Maria Scherer, que chefia o Escritório de Representação do Brasil em Ramallah, na Cisjordânia.

O projeto do hospital é o segundo financiado pelo Ibas em território palestino. O primeiro, um centro esportivo em Ramallah, capital política da Cisjordânia, já está em andamento e ficará pronto "em breve", segundo a embaixadora Scherer.

Um terceiro projeto está em discussão entre os países do grupo a Autoridade Nacional Palestina (ANP), que controla a Cisjordânia. Por enquanto, a única certeza de que a obra será em uma de cinco cidades da Cisjordânia: Jenin, Qalquilia, Nablus, Tulkarem ou Hebron.

- A meta do Ibas é aliviar a pobreza e a fome, além de promover o desenvolvimento sustentável de países que estejam necessitados. No caso dos palestinos, o objetivo é ajudar na construção do futuro Estado nacional - ressalta a embaixadora, complementando que o Ibas financia, atualmente, projetos em países como Haiti, Cambódia e Guiné Bissau.

O GLOBO
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.