sábado, 26 de julho de 2014

Cruz Vermelha Brasileira terá desviado dinheiro de doações



Uma auditoria encomendada pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha, na Suiça, mostrou que a instituição brasileira desviou dinheiro doado em campanhas humanitárias para ajudar vítimas do conflito da Somália, no tsunami do Japão e das cheias no Rio de Janeiro.

De acordo com investigação da Folha de São Paulo, foram desviados do órgão central da Cruz Vermelha brasileira cerca de R$ 212 mil nas campanhas para ajudar as vítimas de conflitos na Somália e do tsunami no Japão, assim como R$ 1,6 milhões da campanha para ajudar as vítimas das cheias na região serrana do Rio de Janeiro.
O dinheiro, ao que tudo indica, foi repassado para uma ONG liderada pela mãe do então vice-presidente da Cruz Vermelha nacional, Anderson Marcelo Choucino.
A reportagem mostra ainda que uma terceira parcela, de R$ 523 mil, foi usada em fundos de aplicação e mais tarde desapareceu.
O esquema da organização no Brasil se divide por etapas. Em primeiro lugar está a sede principal, que atribui a marca internacional. É seguida pelo órgão central no país, a Cruz Vermelha Nacional e depois pelas dezenas de filiais que se espalham pelos estados e municípios. Todos são independentes uns dos outros, mas estão sempre sob o escrutínio da sede principal.

A ONG em questão, o Instituto Humanos localizado em São Luís, no Maranhão, é presidida por Alzira Quirino da Silva, mãe do ex-vice-presidente do órgão central. A auditoria encomendada pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e elaborada pela consultoria independente Moore Stephens mostra que, entre 2010 e 2012, o Instituto Humanus recebeu cerca de R$ 15,8 milhões da Cruz Vermelha, em troca de serviços prestados que não corresponderam ao montante pago.
Algumas dessas transações receberam a assinatura da então presidente da Cruz Vermelha do Maranhão, Carmen Serra, irmã do presidente da Cruz Vermelha Nacional, Walmir Serra Jr.
Carmen Serra terá afirmado, durante a auditoria, que a filial do Maranhão permitiu que o órgão central usasse as suas contas, uma vez que a Cruz Vermelha tinha dívidas trabalhistas. Segundo a ex-presidente da filiar maranhense, essa foi uma forma de evitar que as doações fosse confiscadas pela Justiça.
Ela afirmou ainda que a sua senha bancária deve ter sido roubada por “desconhecidos” uma vez que a filial do Maranhão nunca solicitou os serviços da Humanus. No entanto, até 2012, a Cruz Vermelha do Maranhão e o Instituto Humanus tinham o mesmo número de telefone para contato, conta a Folha.


Notícias ao Minuto
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.