O Seu portal conservador de notícias, Evangelismo e Informação em defesa da fé Cristã

  • Últimas Notícias

    18 junho 2014

    Imprensa inglesa diz que o governo brasileiro perdeu o rumo e agora joga o povo contra o povo


    Até os ingleses já sabem que a coisa está feia no Brasil. Uma matéria do The Guardian, traz uma análise crítica, um visão de alguém de fora sobre a situação do Brasil, onde se vê claramente um governo que se perdeu política e economicamente, e agora, tenta distrair as atenções com a copa do mundo, colocando ainda as classes sociais umas contra as outras, e, assim, tirar o foco dos reais problemas.

    The Guardian - um ano de protesto frustrado contra um governo intransigente lançou uma onda de reprimida violência entre classes. “No Brasil há um ditado que diz:”. “Ladrão bom é ladrão morto” Estas palavras não são mais relevantes na paisagem dominada pelas guerra de classes brasileira de hoje, onde o preconceito, a violência e o racismo correm livres.

    A última semana foi cheia de atos de violência no Rio de Janeiro. Mais uma vez, a polícia e manifestantes entraram em confronto durante um protesto no centro da cidade. Alguns dias antes, um adolescente foi espancado, despido e amarrado a um poste de luz por um grupo de vigilantes por supostamente assaltar pessoas na rua. Os confrontos não são mais pessoas contra autoridade, eles se tornaram pessoas contra pessoas, são do povo contra o próprio povo.
    E figuras da mídia tradicional têm apoiado os 'justiceiros/vigilantes' que fazem justiça com as próprias mãos. Esta semana Rachel Scheherazade, a âncora do SBT, disse que suas ações foram "compreensíveis”, e que se as pessoas fossem a favor dos direitos humanos que deve "fazer um favor ao Brasil e adotar um ladrão". Ela fez estas declarações na televisão nacional em horário nobre. Para muitos, as estatísticas justificam a reação violenta: em 2013 mais de 33.000 pessoas foram assassinadas no Rio, 1070, como consequência de assalto. Ainda mais assustadoramente, 5.412 pessoas morreram em conflitos com a polícia. Como o governo concentrado na Copa do Mundo para agradar a comunidade internacional, tem se negligenciando mais ainda as pessoas do que o normal, e as coisas ficaram piores. Brasil já é o quarto país mais desigual do mundo (de acordo com a Organização das Nações Unidas). A onda de crimes recentes, em particular no bairro do Flamengo, onde o adolescente negro foi atacado, e o resultado direto da raiva da população que foi deflagrada em junho passado. A tentativa do governo de elevar tarifas de ônibus mais uma vez atuou como um lembrete de que, desde os protestos do ano passado, as coisas ficaram piores, não melhores.

    Talvez, as pessoas já tenham percebido que protestando não chegam a lugar nenhum, exceto para a obtenção de mudança em curto prazo.
    O governo está enviando uma mensagem clara: vamos fazer o que queremos e os seus protestos não podem nos parar. Esta mensagem tornou-se perigosa, porque as pessoas agora se sentem no direito de roubar, de usar a violência para torturar os autores em qualquer situação que a polícia, toda desestruturada e implorando ajuda à nação, (veja aqui), não esteja a atuar. E sempre haverá pessoas inocentes que sofrem. Na quinta-feira, um cinegrafista foi atingido na cabeça por um explosivo, supostamente uma bomba da polícia, depois de um protesto que se tornou violento. Ele está em coma.

    A guerra é de alta renda versus baixa renda.

    Enquanto as pessoas das favelas são levadas ao crime por causa de sua falta de oportunidades, pessoas de classe média se sentem cada vez mais com medo da violência e se preocupado com sua segurança. A raiva contra o governo está colocando uns contra os outros e, apesar do glorioso sol do Rio de Janeiro, o ambiente é de medo e tristeza para uma cidade de tal potencial.
    Em última análise, embora o suporte para a tortura e violência seja horrível, os problemas sociais no Brasil são muito mais profundos que vigilantes/justiceiros fazendo o que acham que é certo. Não é uma simples questão de matar um criminoso, porque ele é inerentemente mau; centenas de anos de opressão, do racismo e negligência do governo não podem ser camufladas com uma simples decisão de não aumentar as tarifas de ônibus. “As coisas podem piorar".

    Com informações da Folha Centro Sul e The Guardian

    Sobre

    Exclusivamente voltado para matérias informativas em questões apologéticas, notícias e estudos bíblicos, este site tem o objetivo de servir como ferramenta de evangelização bem como alerta e preparo à igreja cristã sobre os últimos eventos que antecedem a Volta Gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Termos de Uso

    Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Site "O Correio de Deus". Não é permitido a alteração do conteúdo original sem a devida notificação de alteração em cópia extraída deste site e muito menos a utilização para fins comerciais.
    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença