Depois que o governo chinês destruiu a igreja protestante em Wenzhou Sanjiang por "violar certos códigos de construção" e que a Igreja Xiaying Amor Santo em Ningbo recebeu uma ordem de fechamento por ser considerada "assustadoramente impressionante", têm suscitado dúvidas sobre a prática da liberdade religiosa na China.

O direito à liberdade de crença religiosa é garantida pelo artigo 36 da Constituição chinesa. No entanto, os crentes neste país, estão sendo perseguidos por sua fé. 

Segundo o The New York Times, desde março, pelo menos uma dúzia de igrejas em toda a província de Zhejiang, receberam ordens de remoção das suas cruzes ou de demolição do templo.

Será que o governo chinês realmente respeita a liberdade religiosa? 

Autoridades do governo se defendem, dizendo que as igrejas violaram restrições locais. No entanto, um documento interno do governo, revisado pelo The New York Times deixa claro que as demolições são parte de uma estratégia para reduzir o perfil público do cristanismo.


O relatório diz que o governo tem como meta "locais religiosos excessivos" e atividades religiosas "muito populares", mas diz que está cingido apenas com o cristianismo e cruzes.

"A prioridade é remover as cruzes de lugares dedicados a atividades religiosas de ambos os lados das auto-estradas, estradas nacionais e auto-estradas provinciais", diz o documento. "Com o tempo, será derrubadas as cruzes dos telhados e das fachadas dos edifícios."

Debate Nacional 


A destruição da igreja Sanjiang, provocou um mistério em todo o país sobre o porquê da demolição de uma igreja cristã e não de uma das igrejas subterrâneas independentes que constantemente entram em conflito com o governo.

"Nada machuca mais as pessoas do que destruir a sua igreja", disse Chen Yilu, o chefe da União Seminário Teológico Nanjing. "Ela foi tratada de forma muito agressiva."

Gao Ying, diretor do Seminário Teológico oficial de Yanjing , em Pequim, disse: "A Igreja Sanjiang era uma congregação legal e registrado acho que eu merecia um resultado melhor.". 

A demolição da igreja gerou crescentes tensões entre o cristianismo e o governo comunista, e com outras religiões. Foi precedido por um pedido local, acusando a igreja para destruir o feng shui da área, os princípios subjacentes a religião popular tradicional chinesa. Outros se queixaram de que as igrejas deslocaram templos tradicionais, competindo por espaço na região montanhosa.

"À medida que o Cristianismo se torna mais forte, ele abre passo contra outras religiões", disse Mayfair Yang, um professor da Universidade da Califórnia, que fez trabalho de campo sobre os conflitos de terras religiosas em Wenzhou. 

Esta tentativa do governo parar o crescimento fortificado do cristianismo na China, pode ser confirmado por um estudo recente da London Sunday Telegraph, que afirma que o país será "a maior nação cristã do mundo"

Yang, professor de sociologia da Universidade de Purdue e autor de "Religião na China: Sobrevivência e Renascimento sob regime comunista," estima que em 2025, o número de cristãos vai disparar para 160 milhões. 

Estima-se que a população cristã total de China, incluindo católicos, atingirá 247 milhões em 2030, passando os Estados Unidos, o México e o Brasil como a maior nação cristã do mundo.


Fonte:cpadnews e Fique Atento

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.