sexta-feira, 6 de junho de 2014

A nova ordem já atua ''explicitamente'': Itália vai incluir tráfico de drogas, prostituição e contrabando no cálculo do PIB


ROMA - Vale tudo para melhorar os números da economia? Parece que, na Itália — o berço da máfia —, sim. A partir do ano que vem, a riqueza gerada por atividades ilegais, como prostituição, tráfico de drogas, contrabando de cigarro e álcool, será contabilizada no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos em um país), conforme orientação recente da União Europeia para facilitar a comparação no desempenho das economias do bloco. Além disso, os dados de anos anteriores serão ajustados de modo a incluir essas atividades e a mudança na metodologia.


Quatro recessões nos últimos 13 anos levaram o PIB italiano a uma queda de 1,9% em 2014, para € 1,56 trilhão — 2% menor que em 2001, descontando a inflação no período. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (Istat), a revisão da composição foi feita de acordo com as regras da União Europeia.

O governo do primeiro-ministro Matteo Renzi tem o compromisso de reduzir o déficit da Itália para 2,6% do PIB este ano, uma tarefa mais fácil se o resultado for turbinado por uma economia paralela até então fora das estatísticas.

Mas colocar a nova metodologia em prática não será fácil, já que essas atividades são ilegais e suas movimentações não são informadas ao governo. Em 2012, o Banco da Itália estimou o valor da economia do crime em 10,9% do PIB do país.

— Apesar de ser difícil quantificar, é óbvio que haverá um impacto positivo no PIB — afirmou Giuseppe Di Taranto, economista e professor da Universidade Luiss, de Roma.

O Eurostat, instituto de estatísticas da União Europeia, estimou que o impacto no tamanho do PIB da Itália será de 1% a 2%. A perspectiva do governo é que a economia cresça 1,3% em 2015.

Região cresceria mais se outros adotassem medida

Ainda de acordo com o Eurostat, se outros países adotassem a mudança, com a inclusão de atividades ilícitas no cálculo do PIB, teriam uma taxa de crescimento média de 2,4%.

As maiores evoluções ficariam com Finlândia e Suécia, com aumentos de 4% a 5% no tamanho de seus PIBs, seguidas de Áustria, Reino Unido e Holanda, com altas de 3% a 4%.

A economia da Itália, terceira maior da zona do euro, encolheu em 2012 e 2013. Nos três últimos meses do ano passado, o PIB deu sinais de recuperação, registrando crescimento.

Porém, já no primeiro trimestre de 2014, a variação registrou queda de 0,1%. Segundo pesquisa feita pela Reuters, no início deste ano, o PIB italiano subiria apenas 0,6% em 2014, contra uma previsão governamental de evolução da economia de 0,8%.

Em abril, o governo italiano aprovou decreto reduzindo o Imposto de Renda de cerca de 10 milhões de italianos que ganham entre € 8 mil e € 26 mil por ano. A medida em grande parte será financiada por cortes de gastos permanentes.

O GLOBO

O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.