segunda-feira, 12 de maio de 2014

China se prepara para guerra na Coreia do Norte?


A agência nipônica Kyodo News divulgou documentos alegadamente preparados pela direção militar chinesa no verão de 2013. Os documentos contêm um plano de ação das Forças Armadas da China no caso de uma crise na Coreia do Norte.

Na imprensa mundial, estes documentos têm sido vistos como um autêntica sensação, comprovando a desconfiança de Pequim em relação ao seu aliado norte-coreano.
Entretanto, o plano parece moderado e sensato. Trata-se de organização, nas zonas fronteiriças chinesas, de campos de refugiados,
o reforço da proteção da fronteira e até de seu encerramento em casos de emergência. Se assinala ainda a necessidade de “atender líderes de grupos norte-coreanos em oposição, que possam procurar refúgio no território chinês”. Assim, as autoridades chinesas devem, por um lado, garantir a sua segurança e, por outro, mantê-los sob o seu controle.
Depois de divulgada esta notícia sensacionalista, o governo chinês emitiu um desmentido, anunciando que os documentos divulgados por jornalistas nipônicos não são verdadeiros.
Seja como for, convém ter uma atitude cética em relação a declarações como essa. Diplomatas chineses disseram aquilo o que deviam dizer nessa situação. Mesmo que os documentos não sejam falsos, a China não pode reconhecer esta circunstância, uma vez que ninguém em Pequim quer complicar as relações já bem complicadas com a Coreia do Norte. Mas como a publicação causou uma enorme ressonância, não se podia ignorá-la: o silêncio de Pequim teria sido interpretado com um reconhecimento da autenticidade dos documentos em causa.
A situação na Coreia do Norte realmente continua difícil, muito próxima de uma crise muito grave. No final das contas, nos últimos 10-15 anos, temos constatado a ruína de regimes políticos muito mais estáveis. Por isso, os especialistas e peritos não escondem o fato de a China estar se preparando para ações a empreender no caso de uma crise interna norte-coreana.
Se a situação na Coreia do Norte se desestabilizar e sair do controle, sofrerá, antes de mais nada, a China devido à sua situação geográfica. Claro que, nesse caso, a maioria dos refugiados norte-coreanos partirá com destino à China.
A fronteira entre a China e a Coreia do Norte tem a extensão de 1.400 km e se protege muito mal. Enquanto isso, o número de refugiados poderá se estimar em centenas de milhares, a maior parte dos quais serão, pelo visto, antigos militares do exército norte-coreano com as armas na mão. Através da China poderão ser transportados ainda as armas nucleares e outros tipos de armas de extermínio em massa da Coreia do Norte.

Voz Da Rússia

O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.