O Seu portal conservador de notícias, Evangelismo e Informação em defesa da fé Cristã

  • Últimas Notícias

    06 maio 2014

    Após petição, Coca-Cola retira ingrediente polêmico de bebidas


    O óleo vegetal bromado, ou BVO, na sigla em inglês, pode ser encontrado em algumas bebidas produzidas pela companhia americana, como o refrigerante Fanta ou o isotônico Powerade


    A Coca-Cola planeja retirar um ingrediente polêmico de algumas de suas marcas de bebidas até o fim desse ano, depois de uma petição lançada na internet.
    O óleo vegetal bromado, ou BVO, na sigla em inglês, pode ser encontrado em algumas bebidas produzidas pela companhia americana, como o refrigerante Fanta ou o isotônico Powerade.

    Segundo a assessoria de imprensa da empresa no Brasil, os produtos da Coca-Cola vendidos no país não incluem esse ingrediente: "O uso da substância não está previsto pela legislação brasileira, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)", comunicou a assessoria da Coca-Cola em email enviado à BBC Brasil.
    O BVO vem sendo usando como um estabilizador em bebidas com sabor de frutas e ajuda evitar que outros ingredientes se separem durante o processo de fabricação.
    Os temores sobre os riscos do ingrediente à saúde estão relacionados ao brometo, uma substância também encontrada em retardadores de chamas.
    Estudos médicos ligaram o consumo excessivo de refrigerantes contendo BVO a efeitos negativos sobre a saúde, como perda de memória e problemas nos nervos e na pele.
    O BVO foi retirado da lista de ingredientes da Food and Drug Administration (FDA, o órgão de vigilância sanitária dos Estados Unidos) considerados "seguros" em 1970.
    No entanto, companhias de bebidas são autorizadas a usar o BVO até o limite de 15 partes por milhão em suas bebidas.
    Pressão pública
    O porta-voz da Coca-Cola, Josh Gold, destacou que a decisão da empresa em remover o BVO não estava ligada a medidas de segurança.
    "Todas as nossas bebidas, incluídas aquelas com BVO, são seguras e assim sempre foram – em linha com as regulamentações dos países onde elas são vendidas", disse ele, por meio de um comunicado.
    "A segurança e a qualidade de nossos produtos é a nossa maior prioridade", acrescentou.

    A Coca-Cola afirmou que substituirá o composto por isobutirato de acetato de sacarose ou éster de glicerol de resina, que é normalmente encontrado em chicletes.

    A empresa afirma que dois sabores de seu isotônico Powerade – "ponche de frutas" e "limonada de morango" – já substituíram o BVO por éster de glicerol de resina de goma.
    A decisão da Coca-Cola de remover o ingrediente de suas bebidas reflete uma tentativa das fabricantes de bebidas de reconsiderar certas práticas devido à pressão pública.
    A campanha contra o uso de BVO foi uma iniciativa da americana Sarah Kavanagh, uma adolescente do Estado americano do Mississippi, que questionou por que a substância vinha sendo usada em bebidas direcionadas a esportistas.
    No ano passado, a Pepsi, concorrente da Coca-Cola, já havia retirado o componente do isotônico Gatorade.
    Um porta-voz da Pepsi acrescentou que a empresa "vem trabalhando ativamente para retirar o BVO do resto de seu portfólio de produtos".
    A Pepsi usa o ingrediente em bebidas como o refrigerante cítrico Mountain Dew e do energético Amp Energy.

    OTEMPO

    Sobre

    Exclusivamente voltado para matérias informativas em questões apologéticas, notícias e estudos bíblicos, este site tem o objetivo de servir como ferramenta de evangelização bem como alerta e preparo à igreja cristã sobre os últimos eventos que antecedem a Volta Gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Termos de Uso

    Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir os artigos em qualquer formato, desde que informe o(a) autor(a) e a fonte do artigo, bem como as fontes intermediárias, inclusive o Site "O Correio de Deus". Não é permitido a alteração do conteúdo original sem a devida notificação de alteração em cópia extraída deste site e muito menos a utilização para fins comerciais.
    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença