quinta-feira, 17 de abril de 2014

Obama pede que Putin convença separatistas a desocupar prédios na Ucrânia


Líderes de EUA e Rússia telefonaram a pedido de Putin. Presidente russo nega que ajude grupos armados separatistas e pediu que EUA usem sua influência para "evitar derramamento de sangue" na ex-república soviética.

Em meio à tensão no leste da Ucrânia, o presidente dos EUA, Barack Obama, e o presidente russo, Vladimir Putin, telefonaram na noite desta segunda-feira (14/04). A conversa ocorreu a pedido de Putin, informou a Casa Branca. Obama acusou Putin de apoiar grupos armados pró-russos, o que Putin rejeitou, classificando a denúncia como "especulação", de acordo com o Kremlin.

Obama acusou a Rússia de apoiar grupos armados pró-Rússia "que ameaçam neutralizar e desestabilizar o governo da Ucrânia", informou a Casa Branca. O presidente dos EUA enfatizou que "todas as tropas irregulares no país devem depor as armas". Ele apelou, ainda, para que Putin "use sua influência sobre os grupos armados pró-Rússia para convencê-los a deixar os prédios que ocupam" e alertou que a Rússia deve dar fim às "intimidações militares" da fronteira com a Ucrânia.

Putin acusa "especulação"

O líder russo rebateu as acusações de Washington, de que Moscou estaria interferindo no país vizinho, classificando isso como uma "especulação" baseada "em informações infundadas", segundo o Kremlin. Para Putin, o motivo para os protestos é a "falta de vontade e incapacidade" das autoridades de Kiev. Ele ainda exortou Obama a fazer o possível para impedir o uso de violência e derramamento de sangue na Ucrânia.



Os EUA e outros países ocidentais suspeitam que a Rússia esteja intervindo no leste da Ucrânia, da mesma forma que o fez na península da Crimeia, para provocar a separação da região. A Rússia anexou a Crimeia em março, após a população ter aprovado a união à Rússia através de um plebiscito. A Alemanha também afirmou nesta semana que há indícios de que a Rússia apoia grupos armados separatistas no leste da Ucrânia.
Desde a anexação da Crimeia por Moscou aumentou no leste da Ucrânia o número de manifestações pró-Rússia. Em muitas cidades da região, milicianos fortemente armados ocuparam prédios públicos nos últimos dias. Eles exigem um plebiscito regional sobre uma anexação à Rússia.

UE amplia sanções

O presidente interino da Ucrânia, Olexandr Turtchinov, falou na segunda-feira da possibilidade de uma consulta nacional sobre a transformação do país em uma federação. Ela poderia ocorrer, segundo ele, em paralelo com as eleições presidenciais de 25 de maio. Em telefonema com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Turtchinov pediu o envio de observadores ao leste da Ucrânia .
Os ministros do Exterior da União Europeia (UE) decidiram na segunda-feira, em reunião em Luxemburgo, ampliar as sanções contra a Rússia, expandindo a lista de pessoas da Ucrânia e Rússia atingidas por sanções, como proibições de entrada no bloco e bloqueio de conta bancária. Até agora, esta lista continha 33 russos e ucranianos.
A UE optou por ainda não decretar sanções econômicas, preferindo aguardar a realização do encontro planejado para quinta-feira em Genebra, entre a chefe da política externa da UE, Catherine Ashton, e os ministros do Exterior da Rússia, além de seus colegas dos EUA e da Ucrânia. Na terça-feira, os ministros da Defesa da UE devem se reunir para discutir a crise ucraniana.




Ajuda financeira à Ucrânia

Os ministros dos 28 países da UE reunidos em Luxemburgo também aprovaram a disponibilização de 1 bilhão de euros em créditos para a Ucrânia, sob condição de que Kiev implemente reformas políticas e econômicas, além de cortarem quase todas as taxações sobre mercadorias originadas do país. A quantia se soma aos 610 milhões já aprovados para estabilizar o orçamento da Ucrânia, que passa por sérios problemas econômicos. Com essa decisão, a UE põe em prática uma parte do acordo de associação com o país.

O ministro das Finanças dos EUA, Jacob Lew, também assinou na segunda-feira uma garantia de empréstimo de 1 bilhão de dólares (725 milhões de euros). O Fundo Monetário Internacional pretende decidir nas próximas semanas sobre uma ajuda financeira à Ucrânia.

Contornos de Guerra Fria

A tensão na ex-república soviética toma cada vez mais contornos que lembram a Guerra Fria. Após relatos da mídia russa sobre uma visita a Kiev do chefe da CIA, John Brennan, o ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov, pediu esclarecimentos. Washington confirmou a visita no fim de semana, informando que ela fora uma mera "viagem de rotina", conforme o porta-voz presidencial, Jay Carney.

Já o Pentágono se queixou de "provocações" de Moscou no Mar Negro, onde um caça russo teria sobrevoado no sábado, por 12 vezes e a baixa altitude, o contratorpedeiro norte-americano USS Donald Cook, quando este navegava em águas internacionais, conforme um porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA.

MD/afp/dpa

DW



O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.