terça-feira, 29 de abril de 2014

EUA impõem sanções a aliados de Putin; violência continua na Ucrânia

DONETSK/SLAVIANSK, Ucrânia, 28 Abr (Reuters) - Os Estados Unidos impuseram novas sanções contra aliados do presidente russo, Vladimir Putin, nesta segunda-feira, o que levou o governo russo a denunciar o uso de táticas da "Guerra Fria" enquanto continuam os atos de violência no leste da Ucrânia.
A decisão de proibir a concessão de vistos e congelar ativos de amigos de Putin, como Igor Sechin, dirigente da gigante russa de petróleo Rosneft, também atraiu a fúria dos críticos internos do presidente norte-americano, Barack Obama, que a qualificou de "puxão de orelhas", mesmo enquanto os aliados europeus dos EUA discutiam sobre como seguir o exemplo sem afetar gravemente as suas economias.
A nova rodada de sanções, seguindo as impostas no mês passado, quando a Rússia anexou a Crimeia, mal foi notada no leste da Ucrânia, onde os rebeldes pró-Moscou mantêm refém um grupo de alemães e de observadores militares da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) há quatro dias.

Apesar da operação militar ucraniana para conter a ação dos insurgentes, os militantes pró-Rússia ampliaram seu raio de ação, ocupando edifícios públicos importantes em outra cidade na região de Donetsk. Na capital regional, os ativistas armados com bastões puseram fim a uma manifestação de partidários do governo central ucraniano, apoiado pelo Ocidente.
E o prefeito de Carcóvia, segunda maior cidade da Ucrânia, foi gravemente ferido por um homem armado, o que provocou o temor de que distúrbios possam irromper nessa região de população de língua russa, que estava mais calma do que as províncias vizinhas de Donetsk e Luhansk.
As sanções norte-americanas têm como alvo, segundo o governo em Washington, os "camaradas" de Putin. Sete homens, incluindo Sechin, foram alvo de proibições de concessão de vistos e congelamento de quaisquer bens nos Estados Unidos, e 17 empresas também foram enquadradas na punição. Os países da UE adicionaram 15 nomes à sua lista negra, a ser revelada na terça-feira.
"O objetivo não é ir atrás de Putin pessoalmente", disse Obama. "O objetivo é mudar o seu cálculo no que diz respeito à forma como as ações nas quais ele está se envolvendo na Ucrânia poderão ter um impacto negativo sobre a economia russa em longo prazo."
Havia poucos sinais de uma mudança rápida nas estratégias de Putin, que os críticos acusam de estar estimulando o medo entre os russos étnicos a fim de redesenhar as fronteiras pós-soviéticas e reconstruir o império sob o controle de Moscou.
"Washington está revivendo... um método antigo de restringir a cooperação normal, desde os tempos da Guerra Fria, essencialmente se enfurnando em um armário escuro, empoeirado, de eras passadas", disse o vice-chanceler Sergei Ryabkov, descrevendo as sanções como ilegítimas, não civilizadas e em violação ao direito internacional.
As sanções não vão ajudar a resolver os problemas na Ucrânia, afirmou ele, e foram baseadas em uma visão dos eventos do país "absolutamente distorcidas".
Ambos os lados continuam a apresentar versões diametralmente opostas dos acontecimentos na Ucrânia. Países ocidentais veem como legítimos os líderes que tomaram o poder depois que o presidente Viktor Yanukovich, apoiado pelos russos, fugiu para a Rússia em fevereiro e acreditam que Putin está tentando minar seus esforços para realizar uma eleição.

Para Moscou, no entanto, eles são "fascistas" e "golpistas", nacionalistas ucranianos antirrussos contra os quais a população de língua russa na Crimeia e no leste da Ucrânia se revoltou em defesa própria, visão que transmite para a Ucrânia por meio da mídia estatal da Rússia.
Agência Reuters
O CORREIO DE DEUS
O CORREIO DE DEUS

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO!

Desde já quero informar que todos serão responsabilizados pelos seus comentários!

Comentem mas com pudor e serenidade, pois só serão aceitos comentários que somam para o assunto caso contrário não serão publicados. Críticas são bem vindas desde que tenham coerência no que estão falando. E comentários de links e propagandas de outras páginas não serão publicados também. Temos uma visão conservadora e não desviaremos o foco do pensamento bíblico. Att; SITE O CORREIO DE DEUS

Grato pela atenção de todos.